A Justiça de Deus

A Justiça de Deus

A Justiça de Deus

A justiça ou retidão de Deus é a Sua contínua perfeição e permanência de acordo com o padrão do que é puro e correto – que é Ele mesmo. Exercitada nas Suas criaturas, a justiça de Deus consiste na execução de julgamento, tanto para recompensa quanto para punição, de acordo com o que é merecido, e determinado pelo padrão da Sua santa lei. Todos as Suas obras são justas (Gênesis 18:25; Salmos 7:9).

Texto Bíblico (Ezequiel 14.12-21).

Etimologia e conceito

1 – Etimologia

Primeiramente justiça se refere ao latim como iustitia, vinculado ao adjetivo justo (em latim iustus) e ambos baseados no núcleo propiciado pelo termo direito (apresentado no latim como ius). Por sua vez, Divina ou Divino tem referência no latim como divīnus, em alusão ao que está relacionada a Deus ou a uma divindade da qual se acredita, associado ao adjetivo divus, para referir-se a Deus ou a uma deidade, e naturalmente Deus ou deus, associado ao latim deus, explorando a raiz no indo-europeu *dyeu-, por iluminar ou brilhar. https://etimologia.com.br/justica-divina/.

2 – Conceito

Justiça é aquilo que está em conformidade com o que é reto; é a qualidade do que está de acordo com o cumprimento da lei. No estudo bíblico-teológico, frequentemente o atributo da justiça de Deus é também chamado de “retidão de Deus”.

A Justiça de Deus e seus aspectos

1º Aspecto:

Muitas vezes os estudiosos falam da justiça de Deus em dois aspectos diferentes, mas diretamente interligados. O primeiro é chamado de “justiça interna”, e diz respeito a quem Deus é. Em seu próprio caráter Deus é absolutamente justo, ou seja, Ele não é justo meramente porque pratica a justiça, mas Ele pratica a justiça porque em si mesmo Ele é justo.

2º – Aspecto:

Já o segundo aspecto é chamado de “justiça externa”, e diz respeito ao que Deus faz. Por ser justo, Ele só faz o que é reto. Então sendo inteiramente justo, Deus manifesta Sua justiça em Seu governo do mundo, impondo às suas criaturas uma exigência moral de acordo com a retidão da Sua vontade. Relacionado a isso, a teologia também fala da justiça de Deus no sentido distributivo. Deus aplica Sua lei de forma justa e imparcial, recompensando o justo e punindo o injusto. Deus recompensa homens e anjos que andam em retidão. Esse ato de Deus recompensar os obedientes é chamado de “justiça remunerativa”. Mas considerando que ninguém, por seus próprios méritos, é capaz de ser absolutamente justo diante do padrão moral de Deus, a justiça remunerativa é também uma expressão do amor divino (cf. Lucas 17:10; 1 Coríntios 4:7).

Como explica Louis Berkhof, as recompensas que Deus concede às Suas criaturas são frutos da Sua graça e resultam de uma relação pactual estabelecida por Ele (Teologia Sistemática, 1949). Por um lado, intrinsecamente o homem não merece a recompensa que recebe de Deus, mas por outro ele é sempre merecedor do castigo que recebe. Então se a justiça remunerativa trata das recompensas para os justos, a justiça retributiva trata da punição aos injustos. Por ser justo, Deus castiga àqueles que andam na transgressão da Sua lei (Romanos 1:32; 12:19; 2 Tessalonicenses 1). A justiça divina exige que o pecado seja punido, pois se não fosse assim, então não haveria justiça. Se a justiça remunerativa expressa o amor divino, a justiça retributiva expressa a ira divina.

A Justiça de Deus na Bíblia

Logo no primeiro livro bíblico vemos a manifestação da justiça de Deus em alguns eventos emblemáticos como na maldição após a Queda (Gênesis 3); no dilúvio (Gênesis 6-9); e na destruição das cidades de Sodoma e Gomorra (Gênesis 18). Ainda no livro de Gênesis encontramos a enfática declaração de Abraão sobre a justiça de Deus. No contexto do derramamento do juízo de Deus sobre Sodoma, Abraão argumenta que jamais Deus trataria de igual forma o justo e o ímpio, pois isso resultaria numa injustiça. Então na sequência ele diz: “Não faria justiça o Juiz de toda a terra?” (Gênesis 18:25).

Artigo Relacionado  Contra os falsos profetas

Também no Pentateuco Deus é chamado de justo repetidas vezes, enfatizando o fato de que Ele é fiel, reto e não comete erros (Êxodo 9:27; Deuteronômio 32:4). Essa verdade se estende pelos livros históricos, poéticos e proféticos do Antigo Testamento. Inclusive, no livro de Salmos o ensino bíblico explica que a justiça de Deus é manifestada em toda parte e também é a causa da preservação dos homens e dos animais (Salmo 36:6). Através do profeta Isaías, o próprio Deus fala sobre Sua justiça: “[…] Eu sou o Senhor, que falo a justiça e anuncio coisas retas” (Isaías 45:19). Perfeito em Sua retidão, Deus não precisa dar qualquer satisfação ao homem sobre Sua justiça, e todo questionamento do homem nesse sentido é uma tentativa louca de colocar em dúvida a justiça de Deus (cf. Jó 40:8).

– No Novo Testamento esse mesmo princípio é mantido, onde fica claro que Deus é o Criador e o homem é a criatura que não tem o direito de questionar os padrões divinos (Romanos 9:14-22). Mas sem dúvida a maior conexão acerca da justiça de Deus no Antigo e no Novo Testamento encontra-se na pessoa de Cristo. No Antigo Testamento Cristo é o Renovo Justo prometido por Deus (cf. Jeremias 23; Zacarias 9:9); Ele é o Juiz anunciado que haveria de julgar não pelo que os olhos vêem, mas pela reta justiça (cf. Isaías 11:3-5).

  • O amor e a justiça de Deus

Algumas pessoas pensam que há uma tensão entre o amor e a justiça de Deus. Elas dizem que o atributo da justiça revela um Deus severo e irado que não combina com o atributo do amor que revela um Deus misericordioso e longânimo. Inclusive, muitas dessas pessoas acabam criando para si a imagem de um deus cuja justiça é negligenciada em favor do amor. Mas definitivamente esse não é o Deus da Bíblia. Obviamente não há qualquer incompatibilidade entre a justiça e o amor de Deus.

Em primeiro lugar, o castigo divino pelo pecado não é uma arbitrariedade por parte de Deus, mas é uma preservação de Sua justiça. Se Deus deixasse o pecado impune Ele não seria justo, e se Ele não fosse justo Ele também não seria verdadeiramente amoroso, pois que garantia haveria no amor de um ser injusto? Em segundo lugar, Deus não é uma soma de atributos, como se fosse metade justiça e metade amor. Deus é um ser uno; Ele é totalmente amor e totalmente justiça, e seus atributos definem uns aos outros. Dessa forma, Deus é amorosamente justo e justamente amoroso. Então a justiça de Deus é expressa em Seu amor, bem como o amor de Deus é expresso em Sua justiça. Isso fica claro quando olhamos para Cristo. O apóstolo Paulo explica Deus enviou a Cristo “como sacrifício para a propiciação mediante a , pelo seu sangue, demonstrando a sua justiça” (Romanos 3:25). https://estiloadoracao.com/justica-de-deu. (Daniel Conegero).

OBS: “Embora estivesse ansioso para aceitar as mensagens dos falsos profetas, o povo de Judá considerava a presença de alguns homens tementes a Deus na nação uma apólice de seguro contra desastres. Em tempos de adversidade, sempre podiam pedir conselhos aos profetas de Deus. Devemos lembrar que a relação que o nosso pastor, nossa família e amigos têm com Deus não nos protegerá das consequências de nossos pecados. Cada pessoa é responsável por sua relação pessoal com Deus. Sua fé é pessoal e real ou você se apoia naquilo que outros fazem?” (Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal. Rio de Janeiro: CPAD, 1995, p.1046).

Os pecados da Terra e a Justiça de Deus

Ezequiel 14: 13-14 . Quando a terra pecar contra mim – O objetivo deste e dos versículos a seguir é mostrar que, quando os habitantes de uma terra tiverem preenchido a medida de suas iniquidades, e Deus surgir para executar julgamento sobre eles, os poucos justos dentre eles não ser capaz de livrar a nação dos julgamentos determinados contra ela. Eles libertarão apenas suas próprias almas, como vemos no caso de Sodoma, onde não havia justos, exceto Ló e sua família; essas pessoas justas foram salvas, mas nenhuma intercessão poderia prevalecer com o Todo-Poderoso para poupar a cidade. Noé, Daniel e Jó foram eminentes por sua piedade; Noé e sua família foram salvos do dilúvio universal e obtiveram uma promessa do Altíssimo, de que ele nunca mais destruiria o mundo pela água.

Artigo Relacionado  Adoração e serviço ao Senhor no livro de Levítico

Daniel intercedeu com o Todo-Poderoso por toda a nação dos judeus e obteve uma promessa de sua restauração. Ver Daniel 9. E Jó foi designado pelo próprio Deus para interceder por seus três amigos: mas quando o Todo-Poderoso estiver finalmente determinado a punir uma nação rebelde, mesmo as orações de tais favoritos do céu seriam ineficazes para conseguir sua libertação.

O profeta, nessa alusão à intercessão de Abraão por Sodoma, declara por Deus que quando seus julgamentos forem contra a terra da Judéia, os justos encontrados nela devem libertar suas próprias almas; que mostra claramente uma providência que se estende a todos, mas mais particularmente aos verdadeiramente piedosos. Veja Div. Perna. vol. 4: Lowth, e Calmet. O leitor encontrará na dissertação de Peters sobre Jó, p. 146 uma forte prova da antiguidade do Livro de Jó, deduzida dessa passagem. Em vez de, quando a terra, deveríamos ler, quando uma terra .

Daniel – Ele foi capturado no terceiro ano de Jeoiaquim, Daniel 1: 1 . Depois disso, Jeoiaquim reinou oito anos, 2 Reis 23:36 . E isso profetiza, como aparece no cap. Ezequiel 8: 1 foi proferido no sexto ano do cativeiro de Joaquim, que sucedeu a Joaquim, e reinou apenas três meses. 2 Reis 6: 8 . Portanto, nessa época, Daniel havia catorze anos em cativeiro. – Comentário de Thomas Coke.

  • Comentário de Joseph Benson

Ezequiel 14: 13-14 . Quando a terra, ou quando uma terra peca, etc. – O significado deste e dos versículos a seguir é que, quando os habitantes de uma terra tiverem preenchido a medida de suas iniquidades, e Deus surgir para executá-los, os poucos justos que restarem entre eles não serão capazes, por suas orações e intercessões, para livrar a nação dos julgamentos decretados contra ela. Eles apenas libertarão suas próprias almas; como vemos no caso de Sodoma, onde não havia justos, exceto Ló e sua família: aquelas pessoas justas se salvavam, mas nenhuma intercessão poderia valer para salvar a cidade. Embora esses três homens, Noé, Daniel e Jó, estivessem nele – todos eles pessoas eminentes por piedade. Noé, como recompensa de sua piedade, salvou oito pessoas do dilúvio universal e obteve uma promessa de Deus de que nunca mais destruiria o mundo novamente, Gênesis 8:21 .

Daniel intercedeu com Deus por toda a nação dos judeus, e obteve a promessa de sua restauração e da vinda do Messias, Daniel 9. Jó foi designado por Deus para fazer intercessão por seus três amigos e obteve perdão por eles, Jó 42: 8 . Mas quando o decreto irreversível de Deus for lançado contra uma nação que preencheu a medida de sua iniqüidade, mesmo as orações de tais homens serão ineficazes para sua libertação. Pois é apenas para aqueles que não chegam a essa altura de iniquidade que as orações dos justos valem: compare Jeremias 15: 1 .

Podemos observar aqui quão cedo a fama da piedade de Daniel se espalhou pela Caldéia, que naquele momento provavelmente não tinha mais de trinta anos de idade; ele foi levado para a Babilônia apenas catorze anos antes, quando era muito jovem. Pois ele foi levado cativo no terceiro ano de Jeoiaquim ( Daniel 1: 1 ) que, depois disso, reinou oito anos, 2 Reis 23:36 . E essa profecia, como aparece no cap. Ezequiel 8: 1 foi proferido no sexto ano do cativeiro de Joaquim, que sucedeu a Joaquim, e reinou apenas três meses. https://versiculoscomentados.com.br/index.php/estudo-de-ezequiel-14-13-comentado-e-explicado/.

Artigo Relacionado  O Trabalho e atributos do Ganhador de Almas

Noé, Daniel e Jó

… ainda que houvesse nessa terra Noé, Daniel e Jó, esses três homens só salvariam a si próprios, devido à sua justiça – oráculo do Senhor Javé (Ezequiel 14:14).

– Embora – Noé, Daniel e Jó – A intercessão até dos mais santos dos homens não desvie meus julgamentos. Noé, apesar de um homem justo, não pôde, por sua intercessão, impedir que o velho mundo se afogasse. Jó, apesar de justo, não pôde impedir que seus filhos fossem mortos pela queda de sua casa. Daniel, embora um homem justo, não pôde impedir o cativeiro de seu país. Daniel deve ter sido contemporâneo de Ezequiel. Ele foi capturado no terceiro ano de Jeoiaquim, Daniel 1: 1 . Depois disso, Jeoiaquim reinou oito anos, 2 Reis 23:36 .

E essa profecia, como aparece em Ezequiel 8: 1 , foi proferida no sexto ano do cativeiro de Joaquim, que sucedeu a Joaquim, e reinou apenas três meses, 2 Reis 24: 6 , 2 Reis 24: 8 . Portanto, nessa época, Daniel tinha catorze anos em cativeiro. Veja Newcome. Mesmo nessa época, ele ganhou muita celebridade pública. A partir desse relato, podemos inferir que Jó era uma pessoa tão real quanto Noé ou Daniel; e de sua identidade, nenhum homem fingiu duvidar. Quando Deus, como acima, decidiu punir uma nação, nenhuma intercessão deve valer. Somente a santidade pessoal pode impedir esses males; mas a santidade de qualquer homem só pode valer para si. (- Comentário de Adam Clarke).

Comentário de E.W. Bullinger – três homens . Em Jeremias 15: 1 , temos dois homens, “Moisés e Samuel” , como intercessores. Veja nota lá. Aqui temos “três homens”, também como intercessores. Todos os três prevaleceram em salvar os outros. Noé ( 1 Pedro 3:20 ). Daniel ( Ezequiel 2: 5 ; Ezequiel 2: 48-49 ). Jó ( Ezequiel 42: 8-10 ). Noé, Daniel e Jó . Essa ordem é determinada pela Estrutura, que é uma Introversão, a fim de separar o verdadeiro israelita (da nação de Israel) dos dois que viveram antes da formação da nação (que é o assunto do livro de Êxodo). Noé. Antes de Jó, mas antes de Israel era uma nação. Daniel . Um verdadeiro israelita. Mais tarde que Noé, mas antes de Israel era uma nação. Noé prevaleceu em salvar os outros (toda a raça humana). Gn 6-9. Daniel prevaleceu ao salvar seus companheiros sábios ( Daniel 2:24 ). Ele é mencionado novamente em 28.:3. Enquanto Ezequiel dá testemunho de Daniel (já catorze anos na Babilônia), Daniel dá testemunho de Jeremias ( Daniel 9: 2 ). almas = alma. Nefesh hebraico. App-13. https://versiculoscomentados.com.br/index.php/estudo-de-ezequiel-14-13-comentado-e-explicado/.

OBS: ARGUMENTAÇÃO BÍBLICA – O justo juízo de deus – “Noé, Daniel e Jó foram grandes homens na história de Israel, renomados por seu relacionamento com Deus e por sua sabedoria (ver Gn 6.8,9; Dn 2.47,48; Jó 1.1). Daniel foi levado cativo durante a primeira invasão da Babilônia contra Judá em 605 a.C.; oito anos antes, Ezequiel havia sido exilado. Na época em que Ezequiel pregou essa mensagem, Daniel ocupava uma elevada posição no governo da Babilônia. Mas mesmo estes grandes homens de Deus não poderiam ter salvado o povo de Judá, porque Deus já havia julgado a nação devido à impiedade geral” (Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal. Rio de Janeiro: CPAD, 1995, p.1047).

Conclusão

No meio dos exilados na Babilônia, Ezequiel mostra que Israel mereceu esse julgamento, e que a justiça de Deus produz esperança para o futuro. Por causa dos pecados do povo judeu. Deus consentiu que Jerusalém fosse destruída. Mas diante de todo sofrimento, ainda havia esperança; Deus prometeu restaurar a terra por amor aos que permanecessem fieis a Ele. Os braços de Deus estão abertos para receber aqueles que se arrependem de seus pecados.

Sobre

Categorias

Categorias

Extras

No Portal você encontrará Comentários da EBD, Resumo de Livros e Esboços para Sermões

Subsídios para EBD
Sermões Bíblicos
Resumo de Livros

Dicas de Leitura
Subsídio para Missão

Aprenda Mais

Copyright © 2023 CTEC Vida Cristã. Todos os direitos reservados.