Sabedoria Divina para a tomada de decisões

Sabedoria divina para a tomada de decisões

SABEDORIA DIVINA PARA A TOMADA DE DECISÕES

 

A sucessão ao trono de Israel, fez com que uma grave crise familiar se instalasse na família de Davi, porém, Deus concedeu sabedoria para Salomão, sucessor do deu Pai Davi, para vencer as crises difíceis e inesperadas.

 

Neste artigo você estudará sobre:

1. Davi e a ambição de Absalão

2. Davi e a rebelião de Adonias

3. Transição do Reino de Davi para seu filho Salomão

Bons estudos!

 

TEXTO BÍBLICO

(1 Reis 4.29-34)

 29 – E deu Deus a Salomão sabedoria, e muitíssimo entendimento, e largueza de coração, como a areia que está na praia do mar.

30 – E era a sabedoria de Salomão maior do que a sabedoria de todos os do Oriente e do que toda a sabedoria dos egípcios.

31 – E era ele ainda mais sábio do que todos os homens, e do que Etã, ezraíta, e do que Hemã, e Calcol, e Darda, filhos de Maol; e correu o seu nome por todas as nações em redor.

32 – E disse três mil provérbios, e foram os seus cânticos mil e cinco.

33 – Também falou das árvores, desde o cedro que está no Líbano até ao hissopo que nasce na parede; também falou dos animais, e das aves, e dos répteis, e dos peixes.

34 – E vinham de todos os povos a ouvir a sabedoria de Salomão e de todos os reis da terra que tinham ouvido da sua sabedoria.

 

DAVI E A AMBIÇÃO DE ABSALÃO

Podemos supor então, que a vingança de Absalão pela violação de sua irmã não foi uma atitude meramente passional, mas um ato possivelmente planejado de eliminação do mais provável sucessor de direito ao trono de Israel, uma vez que Absalão, como mostram os fatos subsequentes, tinha para si a ambição de reinar sobre Israel.

Dois anos após a violação de sua irmã, Absalão matou Amnon, fugindo para Gesur, terra dos parentes de sua mãe. Lembremos que Absalão, filho de Davi, era neto de Talmai, rei de Gesur (2 Sm 3:3).

Absalão viria a permanecer ali por 3 anos (2 Sm 13:38), após o que Davi consentiu que Joabe, comandante do exército de Israel, trouxesse o jovem de volta a Jerusalém.

Passaram-se dois anos até que Davi se avistasse com Absalão (2 Sm 14:33) e o perdoasse, e quatro anos mais, para que Absalão, sobre o pretexto de fazer sacrifícios em Hebrom (2 Sm 15:7), saísse de Jerusalém e fizesse um levante contra Davi, o que obrigou o rei a fugir de Jerusalém com toda sua família.

2 Sm 15:7 estabelece que foram quatro anos o tempo passado entre o perdão de Davi e a saída de Absalão para presumidamente ir sacrificar em Hebrom.

Algumas versões traduzem como 40 anos, o que é bastante improvável. Temos, desta forma, que o golpe de Absalão veio a acontecer cerca de 11anos após o nascimento de Salomão, no 30º ano de governo de Davi, mesmo ano em que Absalão veio a ser morto por Joabe (2 Sm 18:14).2.7)

DAVI E A REBELIÃO DE ADONIAS

Adonias, o quarto filho de Davi, rebelou-se contra o seu pai e proclamou-se rei de Israel, embora Deus e também Davi tivessem designado Salomão como o próximo rei (vv. 5.17,30; 2.15).

Até à sua morte, Davi teve problemas com seus filhos. Apesar do seu conceito de bom governante, foi um grande fracasso como pai, negligenciando ou deixando de ensinar, guiar e ‘contrariar’ seus filhos de modo correto, segundo os preceitos de Deuteronômio 6.1-9.

Como resultado, Davi em sua vida sofreu muitas mágoas e tristezas. Seu primeiro filho, Amnom, violentou sua meio-irmã Tamar, e a seguir foi morto pelo seu meio-irmão Absalão (2 Sm 13.1-33).

O terceiro filho de Davi, Absalão, rebelou-se contra o pai e intentou matá-lo. Agora, seu quarto filho rebelou-se e posteriormente foi executado por Salomão (1 Rs 2.23-25).

Por Davi não executar a vontade de Deus no tocante à família, experimentou uma série de tristezas no decurso de sua vida.

O fruto do discipulado mais importante na nossa vida é o nosso empenho para, de todo o coração, sermos sempre fiéis ao nosso cônjuge e a nossos filhos, e conduzi-los num viver segundo a vontade de Deus, mediante o ensino e o exemplo” (Bíblia de Estudo Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, p. 518).

 

TRANSIÇÃO DO REINADO DE DAVI PARA O SEU FILHO SALOMÃO

1 – Davi transfere o poder e a responsabilidade para Salomão – 23:1 a 29.25.

Davi já estava velho e farto de dias e muito trabalho havia para ser feito. Por isso constitui seu filho Salomão rei sobre Israel transferindo assim tanto o poder real como a sua responsabilidade.

Da mesma forma que o cronista omite em Crônicas a história de Bate-Seba e de Urias e ainda as confusões que teve de enfrentar para subir ao poder, também omite neste início a ascensão ao poder por parte de Salomão.

Em seu retrato idealizado da situação, o cronista apresenta uma transição tranquila de Davi para Salomão. A mesma situação se percebe de 28:1 a 29:25.

Obs.: Conforme 2 Sm 5:5, Davi reinou em Hebrom sete anos e seis meses, e em Jerusalém reinou trinta e três anos, o que totaliza quarenta anos e meio, sobre todo o Israel e Judá.

Concluindo-se desta forma, que Davi reinou seis meses no seu ano de ascensão, e transferiu, próximo de sua morte, de forma tardia e conturbada o reino para Salomão.

Em 1 Rs 2:1-12 vemos as instruções que Davi deu a Salomão antes de sua morte. Que seguisse pelo caminho de Deus, e que fizesse justiça a algumas pessoas que lhe haviam causado muitos males. Sabedoria divina para a tomada de decisões.

2 –  Aqueles que Davi reuniu – 23:1 a 27:34.

A organização daqueles que Davi reuniu também podemos dividir em duas partes: (a1) Sacerdotes e Levitas que serviram no âmbito religioso – 23:1 a 26:32. (a2) Líderes  militares e civis – 27:1 a 34. 

Essa organização realizada por Davi não apenas instituiu um sistema para a administração de Salomão como também serviu de modelo para a reorganização do povo na comunidade pós-exílio.

3 – Sacerdotes e Levitas – 23:1 a 26:32.

Davi institui líderes para a administração de Salomão. O cronista usa esse exemplo para mostrar à comunidade pós-exílio que precisavam reunir líderes das mesmas linhagens para o seu programa de reconstrução.

4 – Promessas de Deus (1 Rs 3.10-14).

Salomão pediu verdadeira sabedoria, não simplesmente inteligência. O conceito hebraico de sabedoria sempre envolve a habilidade para ‘distinguir entre o certo e o errado’. Deus respondeu com três promessas incondicionais e uma condicional.

Foi garantido a Salomão sabedoria, riqueza e honra. Foi-lhe prometido vida longa ‘se andar nos meus caminhos’. Promessas incondicionais também são dadas a nós.

Ainda que algumas bênçãos permaneçam condicionadas à nossa obediência”. (RICHARDS, Lawrence O. Guia do Leitor da Bíblia: Uma análise de Gênesis a Apocalipse capítulo por capítulo. 10.ed. Rio de Janeiro: CPAD, p. 223).

Salomão fortalece as relações com Tiro e faz contratos para materiais com os quais construirá o templo que Davi havia sonhado erguer (1 Rs 5.1-12).

Salomão convocou milhares de trabalhadores israelitas e, no quarto ano de seu reinado, começou a construção. A estrutura é magnífica, do melhor mármore e madeira de cedro, ricamente adornado com cobertura de ouro e mobiliado com utensílios de ouro.

O projeto toma sete anos e, afinal, a construção é concluída. A planta do Templo e seus utensílios são modelados a partir do modelo que Deus deu a Moisés para um centro de adoração móvel.

Os utensílios do Templo, ainda que numa escala muito maior, tinham o mesmo significado espiritual que cada item correspondente no Tabernáculo” (RICHARDS, Lawrence O. Guia do Leitor da Bíblia: Uma análise de Gênesis a Apocalipse capítulo por capítulo. 10.ed. Rio de Janeiro: CPAD, pp. 224-225).

 

CONCLUSÃO

Não esqueçamos que Deus é a fonte de todo conhecimento e sabedoria. O saber do homem será sempre relativo.

Por isso, Ele deseja nos dar sabedoria para vivermos de modo que o seu nome seja glorificado em nossas vidas e ministérios. Salomão, escolhido para suceder a Davi, era um jovem inteligente, mas diante da responsabilidade de governar seu povo, ele pediu a Deus sabedoria. Leia mais sobre a Fidelidade de Deus.

Salomão não solicitou a Deus bens materiais ou a morte de seus inimigos. Ele pediu bom senso para guiar o seu povo de modo justo e inteligente.

Precisamos de sabedoria vinda do alto para realizarmos a obra do Senhor, até porque o Apóstolo Tiago disse, na sua Epístola, que quem quiser sabedoria peça a Deus! Sabedoria divina para a tomada de decisões.

 

REFERÊNCIAS

– Bíblia de Estudo Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD.

– Bíblia Palavra Chave (ARC)

– Apontamentos Teológicos do Autor

– Dicionário da Língua Português Online

– Wikipédia, a enciclopédia livre.

RICHARDS, Lawrence O. Guia do Leitor da Bíblia: Uma análise de Gênesis a Apocalipse capítulo por capítulo. 10.ed. Rio de Janeiro: CPAD

– http://pt.slideshare.net/sosreligiao/a-passagem-do-modelo-tribal-para-monarquia-imperio-de-davi-e-salomo-15057851

 

Comentário Pastor Josaphat Batista – Pr. Presidente da Assembleia de Deus em Ibotirama-Bahia. Pós-Graduado em Docência do Ensino Superior. Bacharel em Teologia convalidado pelo MEC. Membro do CEECRE (Conselho Estadual de Educação e Cultura Religiosa da CEADEB). Diretor da ESTEADI (Escola Teológica da Assembleia de Deus em Ibotirama). Presidente do Conselho de Pastores e Líderes Evangélicos de Ibotirama (CONPLEI). Conferencista, Seminarista, Escritor e fundador dos Congressos EBD no Campo de Camaçari-Ba.

 

 

Deixe seu comentário
Sabedoria Divina para a tomada de decisões