O socorro de Deus para livrar o seu Povo

O socorro de Deus para livrar o seu povo

O Socorro de Deus para livrar o seu Povo

 O Senhor colocou Ester no palácio, tornando-a rainha para que intercedesse por seu povo. Com isso, aprendemos que nada em nossas vidas acontece por acaso. Todas as coisas cooperam para o nosso bem (Rm 8.28).

Texto Bíblico (Ester 5.1-6)

Esboço do Livro de Ester

1 –  Uma nova rainha escolhida 1.1-2.17

O rei Assuero mostra seu poder e celebra uma festa 1.1-8

A rainha Vasti e deposta 1.9-22

Ester escolhida para ser rainha 2.1-18

2 –  A vida do rei salva 2.19-23

Mardoqueu descobre uma conspiração 2.19-21

Ester informa o rei 2.22-23

3 –  Feito um plano contra os judeus 3.1-4.17

Hamã planeja destruir os judeus 3.1-15

Mardoqueu persuade Ester a intervir 4.1-14

Ester solicita a ajuda de Mardoqueu 4.15-17

4 – Mardoqueu exaltado 5.1-6.14

Ester prepara um banquete 5.1-8

Hamã planeja destruir Mardoqueu 5.9-14

Hamã forçado a honrar Mardoqueu 6.1-14

5 –  Hamã enforcado 7.1-10

Ester revela sua identidade e expõe Hamã  7.1-6

Hamã  e enforcado na forca preparada para Mardoqueu 7.7-10

6 – Os judeus são salvos 8.1, 9.17

Ester leva seu pedido ao rei 8.1-6

O rei emite um decreto a favor dos judeus 8.7-17

Os judeus derrotam seus inimigos 9.1-17

7 –  A Festa de Purim estabelecida 9.18-10.3

Os judeus celebram o primeiro Purim 9.18-32

Historicidade do Livro de Ester

1 – Autor

O nome do autor é desconhecido. Mas o livro foi escrito por um judeu que conhecia os costumes e a linguagem dos persas. Talvez Mardoqueu ou Esdras tenha sido o autor.

2- Data

O livro de Ester é uma narrativa o bem elaborada, que relata como o povo de Deus foi preservado da ruína durante o séc. V a.C. O livro toma seu nome de uma mulher judia, bela e que se tornou rainha do rei persa Assuero.

Artigo Relacionado  A realidade Bíblica do Inferno

Acredita-se que este rei tenha sido Xerxes I, que sucedeu a Dario I, em 485 a.C., e governou 127 províncias, desde a Índia até a Etiópia, durante vinte anos. Viveu em Susã, a capital persa.

Naquela época, certo número de judeus ainda se encontrava na Babilônia sob o governo persa, embora tivesse liberdade para retornar a Jerusalém (Et 1-2). A história se desenrola num período de quatro anos, iniciando no terceiro ano do reinado de Xerxes.

3 – Conteúdo

Ester é um estudo da sobrevivência do povo de Deus em meio a hostilidade. Hamã, o homem mais importante depois do rei, deseja a aniquilado dos judeus.

Ele manipula o rei para que execute os judeus. Ester é introduzida em cena e Deus faz uso dela para salvar seu povo.

Hamã é enforcado; e Mardoqueu, líder dos judeus no Império Persa, se torna primeiro ministro. A festa de Purim é instituída para marcar a liberdade dos judeus.

Um aspecto peculiar no Livro de Ester é que o nome de Deus não é mencionado. No entanto, vestígios de Deus e seus caminhos transparecem em todo o livro, especialmente na vida de Ester e Mardoqueu.

Da perspectiva humana, Ester e Mardoqueu foram as pessoas menos indicadas para desempenhar funções importantes na formação da nação.

Ele era um judeu benjamita exilado; ela era prima de Mardoqueu, adotada por este (2.7). A maturidade espiritual de Ester se percebe na virtude dela saber esperar pelo momento que Deus julgou adequado, para, então, pedir ao rei a salvação do povo e denunciar Hamã (5.6-8; 7.3-6).

Mardoqueu também revela maturidade para aguardar que Deus lhe indicasse a ocasião correta e lhe orientasse. Em consequência, ele soube o tempo certo de Ester desvendar sua identidade judaica (2.10). Esta espera divinamente orientada provou se crucial (6.1-14; 7.9,10) e comprova a base espiritual do livro.

Finalmente, tanto Ester quanto Mardoqueu temiam a Deus, não a homens. Independentemente das consequências, Mardoqueu recusou-se a prestar honras a Hamã. Ester arriscou sua vida por amor do seu povo quando foi ao rei sem ter sido convidada.

Artigo Relacionado  A Bondade de Deus em nos atender

A missão de Ester e Mardoqueu sempre foi salvar a vida que o inimigo planejava destruir (2.21-23; 4.1-17; 7.1-6; 8.3-6) Como resultado, conduziram a nação a liberdade, foram honrados pelo rei e receberam autoridade, privilégios e responsabilidades.

4 – O Espírito Santo em Ação

Embora não se mencione diretamente o ESPÍRITO SANTO, sua ação produziu em Ester e Mardoqueu profunda humildade, conduzindo-os ao amor mútuo e a lealdade (Rm 5.5)

O Espírito Santo também dirigiu e fortaleceu Ester para jejuar pelo seu povo e pedir que este fizesse o mesmo. (Rm 8.26,27).

O Socorro de Deus para livrar o seu Povo

Rebeldia de Vasti (Et 1.10-22)

A recusa de Vasti em obedecer às ordens de Xerxes foi vista como um precedente para as mulheres de todo o império. Xerxes divorciou-se de Vasti e emitiu um decreto; as mulheres deveriam obedecer a seus maridos.

O decreto reflete um princípio profundamente enraizado ainda hoje no Oriente Médio. O marido governa a casa. Somente ele tem o direito de iniciar ou dar o divórcio.

Os filhos do matrimônio pertencem ao marido e, quando o divórcio acontece, ele os mantêm. O desafio de Vasti a Xerxes foi assim uma ameaça à ordem social estabelecida” (RICHARDS, Lawrence O. Guia do Leitor da Bíblia: Uma análise de Gênesis a Apocalipse capítulo por capítulo. 10. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2012, p. 324).

O rei persa nomeando Ester como rainha, ilustra como Deus pode mudar o coração dos ímpios para que eles cumpram seus propósitos (cf. Pv 21.1).

Ester tinha agora condições de ajudar o seu próprio povo, o que se tornou necessário cinco anos mais tarde. Deus usou as decisões espontâneas das pessoas envolvidas, para proteger o seu povo (Et 4.4).

Ester não se orgulhou

Embora Ester tivesse sido escolhida e coroada rainha do grande império persa, não se orgulhou, nem se envaideceu por causa da sua posição social e do poder que acabara de receber.

Artigo Relacionado  Orando sem cessar

Não desprezava os conselhos de seu tio, de condição humilde, nem menosprezou sua tradição espiritual. Pelo contrário, manifestava um espírito de mansidão, humildade e submissão após tornar-se rainha, como sempre fizera antes” (Bíblia de Estudo Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, p. 758).

Hamã foi enforcado como resultado da justa intervenção de Deus, porém o decreto do rei, no sentido de destruir os judeus, continuava em vigor.

Nem sequer o próprio rei poderia anular o decreto oficial. Mas, em resposta ao pedido de Ester, foi escrito um segundo decreto concedendo aos judeus o direito de resistência armada e de defesa, no dia decretado para sua destruição.

Em geral, Deus não operou o livramento do seu povo, sem a fiel participação deste. Porém, Ele está sempre com o seu povo para lhe prover livramento. Aqui, o livramento de Israel resultou da ação de Deus, com a cooperação de crentes fiéis.

Deus não somente capacitou os judeus a se defenderem, como também fez os habitantes das terras temerem dos judeus (cf. Et 9.2). Noutras palavras, o povo de Deus tornou-se mais respeitado devido à conspiração maligna de Hamã” (Bíblia de Estudo Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, pp. 763,764).

Conclusão

Portanto, vimos que o povo judeu corria o risco de ser exterminado; se assim fosse, a promessa que Deus fez a Abraão não poderia se cumprir. Mas, o Senhor é fiel

Se Deus tem promessas em sua vida, creia que Ele cumprirá. Não deixe que os “Hamãs” da vida venham impedir sua trajetória e amedrontá-lo. Deus é fiel no cumprimento de todas as suas alianças e promessas.

Referências

– Bíblia de Estudo Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD.

– Bíblia Palavra Chave (ARC)

– Apontamentos Teológicos do Autor

– Dicionário da Língua Português Online

– Wikipédia, a enciclopédia livre.

– RICHARDS, Lawrence O. Guia do Leitor da Bíblia: Uma análise de Gênesis a Apocalipse capítulo por capítulo. 10. ed. Rio de Janeiro: CPAD

Sobre

Categorias

Categorias

Extras

No Portal você encontrará Comentários da EBD, Resumo de Livros e Esboços para Sermões

Subsídios para EBD
Sermões Bíblicos
Resumo de Livros

Dicas de Leitura
Subsídio para Missão

Aprenda Mais

Copyright © 2023 CTEC Vida Cristã. Todos os direitos reservados.