Adorando a Deus em meio a calamidade

Adorando a Deus em meio a calamidade

ADORANDO A DEUS EM MEIO A CALAMIDADE

 

Viver adorando a Deus em meio a calamidade é algo difícil. Mas devemos seguir o exemplo do rei. O Senhor ouviu e respondeu a oração de Josafá enviando o seu socorro.

Estamos certos de que a  nossa fé em Deus nos leva a adorá-lo em meio às crises e dificuldades. Esse deve ser o propósito diário de todo Cristão que confia inteiramente no Senhor.

 

Neste artigo você estudará sobre:

1. O Rei Josafá

2. O Rei Acabe

3. Confiando no Senhor

4. A decisão de Adorar a Deus

5. Atitudes que levaram a vitória do Rei Josafá

Bons estudos!

 

TEXTO BÍBLICO

(II Crônicas 20.1-12)
1 – E sucedeu que, depois disso, os filhos de Moabe, e os filhos de Amom, e, com eles, alguns  outros dos amonitas vieram à peleja contra Josafá.

2 – Então, vieram alguns que deram aviso a Josafá, dizendo: Vem contra ti uma grande multidão dalém do mar e da Síria; e eis que já estão em Hazazom-Tamar, que é En-Gedi.

3 – Então, Josafá temeu e pôs-se a buscar o SENHOR; e apregoou jejum em todo o Judá.

4 – E Judá se ajuntou, para pedir socorro ao SENHOR;  também de todas as cidades de Judá vieram para buscarem o SENHOR.

5 – E pôs-se Josafá em pé na congregação de Judá e de Jerusalém, na Casa do SENHOR, diante do pátio novo.

6 – E disse: Ah! SENHOR, Deus de nossos pais, porventura, não és tu Deus nos céus? Pois tu és dominador sobre todos os reinos das gentes, e na tua mão há força e poder, e não há quem te possa resistir.

7 – Porventura, ó Deus nosso, não lançaste tu fora os moradores desta terra, de diante do teu povo de Israel, e não a deste à semente de Abraão, teu amigo, para sempre?

8 – E habitaram nela e edificaram nela um santuário ao teu nome, dizendo:

9 – Se algum mal nos sobrevier, espada, juízo, peste ou fome, nós nos apresentaremos diante desta casa e diante de ti; pois teu nome está nesta casa; e clamaremos a ti na nossa angústia, e tu nos ouvirás e livrarás.

10 – Agora, pois, eis que os filhos de Amom e de Moabe e os das montanhas de Seir, pelos quais não permitiste que passasse Israel, quando vinham da terra do Egito, mas deles se desviaram e não o destruíram,

11 – eis que nos dão o pago, vindo para lançar-nos fora da herança que nos fizeste herdar.

12 – Ah! Deus nosso, porventura, não os julgarás? Porque em nós não há força perante esta grande multidão que vem contra nós, e não sabemos nós o que faremos; porém os nossos olhos estão postos  em ti.

 

O REI JOSAFÁ

Ele foi contemporâneo de Acabe, Acazias, e Jorão de Israel. Fez uma aliança com Israel casando seu filho Jeorão com Atalia, a filha de Acabe e Jezabel (2 Rs 8.18). Apesar deste ato ter aberto a porta à adoração a Baal no reino de Judá, ele foi considerado um bom rei.

No terceiro ano do seu reinado, ele conduziu algumas reformas para melhorar a situação religiosa, instruindo pessoalmente o seu povo e enviando levitas com os livros da lei para ensinar nas cidades de Judá (2 Cr 17.7-9).

Os filisteus e os árabes lhe pagavam tributos (vv. 10,11), e ele mais tarde fortificou as cidades de seu reino. Adorando a Deus em meio a calamidade.

Durante os últimos cinco anos de seu reinado, Josafá teve seu filho Jeorão reinando junto a si (2 Rs 8.16 com 1.17). Josafá morreu com sessenta anos de idade, e foi sepultado na cidade de Davi (1 Rs 22.50)” (Dicionário Bíblico Wycliff. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2009, pp. 1088-1089). 

O REI ACABE

Em 853 a.C., Acabe o persuadiu a se ajuntar a Israel em uma tentativa de desarraigar Ramote-Gileade da Síria. Acabe foi mortalmente ferido, mas Josafá sobreviveu (1 Rs 22.1-38).

Ele foi severamente reprovado pelo profeta Jeú por ter se associado ao rei Acabe (2 Cr 19.1,2). Judá ocupou uma clara posição subordinada, mas a  aliança foi, temporariamente, a fonte da força de ambos os reinos.

Em seu retorno, Josafá novamente encorajou a adoração ao Senhor Jeová (1 Cr 19.4).

Ele havia previamente fortalecido as defesas de Judá e trazido Edom ao seu controle. Isto lhe deu o comando das rotas de caravanas da Arábia e  lhe trouxe uma riqueza adicional (2 Cr 17.5; 18.1).

Josafá tentou construir uma frota de navios em Eziom-Geber com a cooperação de Acazias, rei de Israel, mas os navios foram destruídos.

Josafá recusou quaisquer novas parcerias, provavelmente com medo da invasão de seu território e pelo fato de ter sido repreendido por se unir a Acazias (1 Rs 22.48,49)” (Dicionário Bíblico Wycliff. 1. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2009, p. 1089).

 

CONFIANDO DO SENHOR

Os  moabitas e os amonitas começaram a se  levantar contra Judá desde os dias de Davi. Ao invés de amonitas a Septuaginta traz o termo Meunim, um povo de Seir.

A invasão veio do leste ou do sudeste. Dalém do mar é uma referência  ao mar Morto. Josafá conclamou o povo à oração e ao jejum em todo o território de Judá, a fim de buscar a ajuda e a direção de Deus.

Josafá continuou buscando e adorando a Deus em meio a calamidade em Judá, e isso nos demonstra que devemos conhecer ao Senhor e usufruir da sua bondade e misericórdia.

Em momentos de crise, a oração é uma fonte de força capaz de nos fazer recordar experiências prévias em que fomos ajudados por Deus.

Para aqueles que confiam no Senhor e levam uma vida de fidelidade, mesmo que tempos difíceis se sobreponham no nosso caminho, sabem que Deus não desampara, e que pode agir em favor do fiel.

O rei invocou o Deus de seus pais, e relembrou libertações ocorridas no passado, diante do pátio novo. Este seria o pátio externo, provavelmente renovado ou reconstruído desde os dias de Salomão.

Sob a sombra do Templo, Josafá se lembrou e citou a oração de seu tataravô, na ocasião em que o local santificado havia sido dedicado (2 Cr 6.28-31). O rei Josafá esperou em Deus a providência necessária.

 

A DECISÃO DE ADORAR A DEUS

O rei e seu povo se depararam com o tipo de dilema que todos nós enfrentamos mais de uma vez na vida; e não sabemos nós o que faremos. Mas ele, também tinha o recurso para a solução do problema.

Este meio está à disposição de todo o verdadeiro servo de Deus: Os nossos olhos estão postos em ti. Seguindo uma liderança temente e obediente ao Senhor, as esposas (e também as crianças) permaneceram perante o Senhor com os seus maridos e com o seu rei” (Comentário Bíblico Beacon. Vol 2. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2005, p. 461).

Há muitas dificuldades que nos sobrevem que são dolorosas, nos enfraquecem, nos entristece e no coloca a nossa fé a prova. São acontecimentos que nos colocam em um momento de decisão importante: desistir ou continuar confiando no Senhor. A decisão de continuar adorando a Deus em meio a calamidade deve ser sempre a escolhida, pois ele ouvirá o fiel.

Obs.: “Com 35 de idade ele se tornou co-regente com seu pai Asa, até a morte deste em 870, e governou por 25 anos (1 Rs 22.42). Sua mãe era Azuba, filha de Sili. Ele foi contemporâneo de Acabe, e Jeorão de Israel. Fez uma aliança com Israel casando seu filho Jeorão com Atalia, a filha de Acabe e Jezabel (2 Rs 8.18).

Apesar deste ato ter aberto a porta à adoração a Baal no reino de Judá, ele foi considerado um bom rei.” Para conhecer mais leia, Dicionário Bíblico Wycliffe, CPAD, p.1089.

Josafá tinha muitos inimigos e teve que enfrentar muitas crises. Mas, todas as vezes que buscou a Deus, Ele enviou o socorro. Adorando a Deus em meio a calamidade.

 

ATITUDES QUE LEVARAM A VITÓRIA DO REI JOSAFÁ

1 –  Poder da Oração (vs. 1-12).

O rei Josafá foi avisado que uma “grande multidão” viria para destruir Judá. Ajuntaram-se contra ele os exércitos de Moabe, de Amom e de Monte Seir.

A destruição de Judá era inevitável e a morte era uma certeza. O que Josafá fez diante daquela situação desesperadora? Qual a sua reação diante das provações e tribulações da vida? Onde buscar a solução e vitória das lutas do dia a dia? Josafá buscou a resposta em Deus.

a) Ele foi quem buscou.
Não ficou pedindo para outras pessoas orarem por ele. Não procurou primeiro um amigo influente, não ele primeiro orou. Se preparou, orou e jejuou ao Deus dos céus.

Pediu socorro ao Senhor juntamente com todo o povo de Judá. Não importa o tamanho de nossas dificuldades, a resposta está no poder da oração. Para Deus não há causas impossíveis!

b) Não há problema grande demais, maior é o Espírito Santo de Deus que está em mim.

2 – O Poder da Palavra (vs. 13-17)

Três exércitos contra a pequena Judá – a guerra e o seu extermínio eram inevitáveis. Não havia força para resisti-los e nem sabiam o que fazer, por isso consultou a Palavra de Deus.

Então, Deus usou Jaaziel para falar ao povo e o poder da Palavra os confortou e fez eles tomarem a atitude da vitória.
v. 16 Amanhã, descereis contra eles …

Se eles não tivessem ouvido e obedecido a palavra do Senhor eles não teriam recebido os despojos. Todo o povo estava reunido para ouvir ao Senhor. Deus disse para que não temessem ou não se assustassem com aquela grande multidão, pois Ele próprio lutaria por eles.

O Senhor tomou a causa do rei e de seu povo. Essa é a grande lição que a Bíblia quer nos ensinar: obedecer a Sua Palavra. Ore e confie no Senhor e Ele tomará a sua causa e lutará por você. Confie nas promessas de Deus, confie no poder da Sua Palavra! Leia mais sobre a Fidelidade de Deus.

3 –  O Poder do Louvor (vs. 18-30)

O grande milagre ainda estava por vir. Deus os encorajou para se encontrarem com os inimigos em um vale próximo dali. Eles creram e foram ao encontro daqueles exércitos enfurecidos.

Josafá ordenou que um coral fosse cantando e louvando a Deus à frente de seu pequeno exército. Também o rei e todo o povo de Judá e Jerusalém se prostraram e adoraram ao Senhor ali.

Então, quando começaram a cantar e dar louvores os três exércitos inimigos começaram a lutar entre si para se destruir e exterminar um ao outro.

Quando Josafá e o povo olharam para o deserto defronte do vale, o que viram foi uma grande multidão de “corpos mortos, que jaziam em terra, sem nenhum sobrevivente”. Esse é o poder do louvor!

Quando a luta vier, temos que louvar ao Senhor, lembrando que o Senhor tem cuidado de nós, no momento que o povo começou a louvar, Deus começou a agir e os inimigos foram derrotados.

Quando você começar a louvar Deus vai lhe dar vitória porque o inimigo vai se confundir, ele não gosta quando louvamos ao Senhor é nesse momento que ele foge e Deus nos dá a vitória! Louve e adore em qualquer circunstância.

4 – O jejum (v. 3)

Ele não ficou parado murmurando, ele proclamou um jejum. Ele moveu o mundo espiritual assim como Daniel (Dn. 10:12). A oração e o jejum nos ajudam a vencer as crises. Era uma nação inteira buscando a Deus.

Nenhum crente deve duvidar do poder da oração. A história de Josafá é uma história de proezas. Ele buscou ao Senhor em jejum, oração e adoração e Deus lhe concedeu a vitória  em tempos de crise.

Se você está enfrentando, como o rei Josafá, uma terrível crise, não desanime. Não se renda diante das ameaças do inimigo. Ore, jejue, adore e veja o livramento do Senhor.

 

CONCLUSÃO

Acabamos de estudar um assunto edificante para a nossa vida espiritual que nos fala a respeito da crise política que o rei Josafá teve que enfrentar.

Vimos no relato bíblico que as Nações inimigas se levantaram para atacar Judá e diante da força delas, Josafá não teria como escapar. Então, ele decide buscar o Senhor em oração e jejum. Deus é o nosso socorro. E devemos continuar adorando a Deus em meio a calamidade, a situações difíceis, demonstrando a nossa fé e esperança.

Em tempos de crise, faça como o rei, busque ao Todo-Poderoso. O Senhor ouviu e respondeu a oração de Josafá enviando o seu socorro. Não tente resolver as situações difíceis sozinho, ore, busque a Deus e você verá o livramento do Senhor.

Diante da vitória contra os seus inimigos, Josafá exalta e adora ao Senhor. Seu coração foi afligido pelo temor, mas o tempo de cantar chegou. Assim, como Deus deu o livramento a Judá, Ele dará o livramento a você, confie e veja a providência de Deus em sua vida.

 

REFERÊNCIAS

– Bíblia Palavra Chave (ARC)

– Apontamentos Teológicos do Autor

– Dicionário da Língua Português Online

– Comentário Bíblico Beacon. Vol 2. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2005

– Dicionário Bíblico Wycliff. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2009.

– Lições Bíblicas adultos, 4° trimestre de 2016 – CPAD / Divulgação: www.sub-ebd.blogspot.com

– http://sndrdz.blogspot.com.br/2011/06/postura-de-josafa-2-cronicas-20-1-30.html

 

Pastor Josaphat Batista – Pr. Presidente da Assembleia de Deus em Ibotirama-Bahia. Pós-Graduado em Docência do Ensino Superior. Bacharel em Teologia convalidado pelo MEC. Membro do CEECRE (Conselho Estadual de Educação e Cultura Religiosa da CEADEB). Diretor da ESTEADI (Escola Teológica da Assembleia de Deus em Ibotirama). Presidente do Conselho de Pastores e Líderes Evangélicos de Ibotirama (CONPLEI). Conferencista, Seminarista, Escritor e fundador dos Congressos EBD no Campo de Camaçari-Ba.

 

 

Deixe seu comentário
Adorando a Deus em meio a calamidade