Quando se vai a Glória de Deus

Quando se vai a glória de Deus

Quando se vai a Glória de Deus

Depois da visão de Ezequiel das crescentes cenas de abominação no capítulo anterior, seis anjos foram encarregados de executar o julgamento de Deus. Um deles, que estava vestido com a roupa sacerdotal comum, foi instruído a colocar uma marca na testa daqueles que se afligem por causa das abominações que estavam sendo cometidas em Judá.

Todos aqueles que não tivessem a marca, a começar pelas autoridades do templo deveriam ser destruídos. Os que tivessem a marca, porém, deveriam ser poupados. Este julgamento teria efeitos tão amplos que Ezequiel temeu que nem mesmo um remanescente fosse poupado da destruição. O Tabernáculo de Moisés foi o protótipo da Igreja de Cristo, na qual hoje Deus habita e manifesta sua glória.

Texto Bíblico (Ezequiel 9.3; 10.4,18,19; 11.22-25)

A Coluna de Nuvem: a Glória Divina sobre Israel

(Êx 40.34).

 1 – Quando “a nuvem cobriu a tenda da congregação”.

A nuvem aparecia durante o dia sobre o Tabernáculo. Era a shekinah de Deus sobre o Santuário. Embora o termo não se encontre no texto original do Antigo Testamento, shekinah é uma palavra adotada pela tradição judaica. Os sábios judeus evitavam a palavra kaboth (ou kabod), que significa “glória”, por causa de sua sacralidade (cf. 1Sm 4.21). Assim, shekinah, segundo o sentido aramaico, descreve a manifestação visível da glória de Deus.

OBS: A shekhinah – Convém salientar que a palavra hebraica Shekhinah, muito usada nas igrejas para “glória de Deus”, não é bíblica, pertence ao chamado hebraico talmúdico e significa “morada em”, comumente usada entre os judeus para “presença de Deus”, e, às vezes, referindo-se ao próprio Deus. O Talmude é uma antiga literatura religiosa dos judeus identificada nos Evangelhos como “tradição dos anciãos” porque, naqueles dias, esses preceitos eram orais, e só foram codificados a partir do século 5 d.C. Os rabinos associam-na ao Espírito de Deus, porque o Talmude diz: “A shekhinah do Senhor nunca se afastará desse lugar” (uma referência ao Muro das Lamentações) (por Esequias Soares).

2 – A glória de sua Presença.

A ideia que o povo de Israel tinha de Deus era a de que Ele morava no Santuário. Assim, a nuvem sobre o Tabernáculo revelava que o Altíssimo encontrava-se de modo especial no Santuário. Outrora, a mesma nuvem acompanhava Israel desde Sucote (Êx 13.20-22); agora, ela se encontrava sobre o Tabernáculo. Essa nuvem é o sinal grandioso da presença do Todo-Poderoso. O Deus de Israel era o centro do culto e da adoração do seu povo. E do seu coração? Ele é Senhor?

3 – “Glória” no hebraico e no aramaico.

A palavra “glória” é uma das mais ricas e diversas no contexto linguístico do Antigo Testamento. São encontrados pelo menos oito termos para designá-la, tanto no aramaico quanto no hebraico (Sl 113.3; Dn 2.37; 1Cr 29.11). Quando se refere a Deus, a palavra “glória” designa o esplendor e a majestade do Todo-Poderoso entre o seu povo.

4 – A glória permanente de Deus.

Havia uma promessa de Deus para a descendência de Abraão: tomar posse da terra de Canaã. Para cumprir esse objetivo, a presença de Deus permaneceu com Israel desde a saída do Egito até à entrada na terra prometida (Êx 13.20-22). Ele cumpriu sua promessa e guiou Israel pelo meio do Mar Vermelho, derrotando Faraó e seus cavaleiros. Ali, a nuvem do Senhor trouxe trevas e embaraços aos perseguidores egípcios. A nuvem conduzia Israel nas suas peregrinações, conforme o apóstolo Paulo menciona em uma de suas cartas: “Ora, irmãos, não quero que ignoreis que nossos pais estiveram todos debaixo da nuvem; e todos passaram pelo mar, e todos foram batizados em Moisés, na nuvem e no mar” (1Co 10.1,2).

A grande lição a ser apreendia, aqui, é que a aprovação divina quanto ao nosso ministério é necessária e imprescindível. No estudo da nuvem de glória, percebemos claramente que Deus deseja operar no meio do seu povo. Ele ainda confirma e promove a sua Obra! O Tabernáculo — Símbolos da obra redentora de Cristo – Comentarista: Elienai Cabral.

OBS: A Glória de Deus – “[…] A expressão ‘glória de Deus’ tem emprego variado na Bíblia. Às vezes, descreve o esplendor e majestade de Deus (cf.1 Cr 29.11; Hc 3.3-5), uma glória tão grandiosa que nenhum ser humano pode vê-la e continuar vivo’ (ver Êx 33.18-23). Quando muito, pode-se ver apenas um ‘aparecimento da semelhança da glória do Senhor (cf. a visão que Ezequiel teve do trono de Deus, Ez 1.26-28). Neste sentido, a glória de Deus designa sua singularidade, sua santidade (cf. Is 6.1-3) e sua transcendência (cf. Rm 11.36; Hb 13.21). Pedro emprega a expressão ‘a magnífica glória como um nome de Deus” (Bíblia de Estudo Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, 1995, p.1183).

Artigo Relacionado  Sermão: A liderança sob a autoridade de Deus

Ezequiel 9 – Comentado e explicado

Então a glória do Deus de Israel se elevou de cima do querubim, onde repousava, até a soleira do templo. Chamou o Senhor o homem vestido de linho, que trazia à cintura os instrumentos de escriba,

Ezequiel 9:3

  • Comentário de Albert Barnes

Querubim – O singular é colocado coletivamente para os “querubins”, que estavam no propiciatório da arca no santo dos santos, o propício da glória do Senhor no meio de Israel. Deus é representado como “surgindo” entre os querubins para espalhar Seus inimigos Números 10:35 .

  • Comentário de Thomas Coke

Ezequiel 9: 3 . E a glória, etc. – Significando a glória que Ezequiel viu no capítulo anterior; isto é, não apenas a carruagem da glória, com as rodas e os querubins, mas também o homem sentado na carruagem; pois é o Homem que fala neste e nos seguintes versículos, e que no quarto verso é chamado Jeová, ou o Senhor: É observável que o querubim é aqui usado no singular para todo o aparato divino: Houbigant o traduz, Dos querubins em que ele estava sentado. Em 1 Crônicas 28:18, fala-se da carruagem dos querubins. Essa glória de Deus é mencionada aqui e em outros lugares como ir e ficar sobre o limiar da casa, a fim de, como parece mais provável, indicar que Deus estava prestes a se afastar de seu templo. Veja no cap. Ezequiel 11:23 . Ele chamou – Aquele que estava sentado no trono, cap. Ezequiel 1:26 . Ver cap. Ezequiel 10: 2 .: “Ele falou”. Ou, podemos dizer: “E Jeová chamou o homem vestido de linho, que tinha o tinteiro do escritor ao seu lado, e lhe disse:”

  • Comentário de Joseph Benson

Ezequiel 9: 3-4 . E a glória de Deus se foi ao limiar da casa – Nomeadamente, aquele glorioso símbolo da presença divina que costumava aparecer entre os querubins no propiciatório, partiu daquele santuário interno para o limiar ou a porta do templo, para mostrar que Deus logo abandonaria sua casa, e retirar-se dos judeus, por causa de suas idolatria e outros pecados. A palavra querubim aqui significa querubins, como Ezequiel 10: 2 . Devemos distinguir essa aparição da glória divina, que habitava habitualmente no templo, daquela que foi mostrada particularmente a Ezequiel 1:26 ; Ezequiel 3:23 .

E chamou o homem vestido de linho – Aquele que estava sentado no trono, Ezequiel 1:26 , a saber, o Filho de Deus, deu seus mandamentos ao anjo; e o Senhor (hebreu, Jeová ) disse-lhe: Atravessa o meio da cidade – de um extremo ao outro, ou melhor, por todas as partes; e marque, & c. – Significar a distinção que Deus, por sua providência, faz em tempos de calamidade comum entre alguns, Isaías 26:20 ; Jeremias 39:16 ; Malaquias 3:18 . Pois Deus em sua maior ira contra seus inimigos tem uma reserva de misericórdia para o seu povo. Na testa dos homens que suspiram – Ou seja, de tristeza, ou que choram pelos pecados e misérias dos outros; e chorar por todas as abominações, etc. – Quem se atreve a lamentar abertamente as abominações desta cidade ímpia, e por isso presta testemunho contra ela.

A Vulgata apresenta a cláusula Et signa Thau super frontes virorum gementium, etc. isto é, “marque com a letra Thau as testas dos homens que sofrem, etc.” E tem sido uma opinião longa e predominante na Igreja Cristã que a letra Thau era a marca aqui pretendida, a saber, no caráter samaritano, que deveria ter sido usado naquela época pelos judeus, e que a carta foi escrita em a forma de uma cruz, como São Jerônimo atesta em seu comentário sobre o local. A prevalência dessa opinião mostra, pelo menos, quão cedo esse uso da forma da cruz prevaleceu na Igreja Cristã, que abriu caminho para a superstição e idolatria dos papistas nesse particular. É mais importante observar que, seja qual for essa marca, foi fixada nas pessoas aqui descritas para significar que Deus as possuía como suas, e as pouparia e preservaria no tempo dessa destruição geral.

Artigo Relacionado  Provisão de Deus em tempos difíceis

Observe, leitor, que uma obra de graça na alma é para Deus uma marca na testa, que ele reconhecerá como sua marca e pela qual ele conhece aqueles que são dele; e aqueles que se mantêm puros em tempos de iniqüidade comum, Deus se manterá seguro em tempos de calamidade comum. Os que se distinguem serão distinguidos; os que choram pelos pecados de outros homens não precisarão chorar por suas próprias aflições; pois eles serão libertos deles ou confortados sob eles. Observe novamente: Deus é mais cuidadoso com seu povo do que vingativo contra seus inimigos; pois ele ordena o selamento dos enlutados antes da destruição dos rebeldes.

  • Comentário de Scofield

Vale ressaltar que a Ezequiel o sacerdote recebeu a visão da glória do Senhor

(1) partida dos querubins até o limiar do templo Ezequiel 9: 3 ; Ezequiel 10: 4 .

(2) do limiar Ezequiel 10:18 .

(3) do templo e da cidade até a montanha no leste de Jerusalém (Oliveiras, Ezequiel 11:23 ) e

(4) retornar ao templo milenar para permanecer. Ezequiel 43: 2-5 .

  • Comentário de Adam Clarke

E ele chamou o homem – A pessoa aqui que chamou foi aquela que estava sentada na carruagem da glória Divina. Veja Ezequiel 1:26 .

  • Comentário de John Calvin

Agora, o Profeta mostra por que o anjo foi acrescentado aos caldeus, ou seja, para pôr um freio neles, para que não se enfurecessem promiscuamente e sem seleção contra os eleitos e réprobos. Esta é uma passagem notável, porque dela aprendemos, primeiro, que Deus efetivamente ameaça os ímpios, para que ele tenha atendentes sempre à mão para obedecê-lo; então, mesmo os incrédulos fazem guerra sob a direção de Deus, e são governados por sua vara, e não fazem nada, exceto por sua vontade. Nem se diz que os caldeus foram ao templo em vão e se colocaram diante do altar de Deus. Isso não está relacionado ao louvor deles, como se eles obedecessem a Deus espontaneamente, ou como se tivessem decidido cumprir seus mandamentos, mas a providência secreta de Deus é aqui tratada.

Embora, portanto, os caldeus tenham dominado sua vontade própria e não se considerassem divinamente governados; todavia, Deus aqui declara que eles estavam sob suas mãos, como se Deus os tivesse como soldados contratados: como se diz que Satanás se juntou aos filhos de Deus: isso não foi uma obediência voluntária, mas porque suas maquinações não podiam atacar os santos Jó, a não ser por ordem de Deus. ( Jó 1: 6. ) Os filhos de Deus aparecem de uma maneira muito diferente, pois oferecem obediência gratuita e desejam que ele apenas reine. Mas quão grande é a diferença entre os filhos de Deus e Satanás, e todos os réprobos, mas é igualmente verdade que Satanás e os ímpios obedecem a Deus. Portanto, devemos aprender em segundo lugar. Mas, em terceiro lugar, somos ensinados que Deus nunca executa sua vingança precipitadamente, sem poupar seus eleitos. Por essa razão, no massacre de Jerusalém, ele tem um anjo que, por assim dizer, se opõe a um escudo para os caldeus, para que sua crueldade não os prejudique além do prazer de Deus, como veremos a seguir.

Por isso, eu disse que o lugar era notável, porque quando Deus apresenta os sinais de sua ira, o céu está, como se estivesse, coberto de nuvens, e os fiéis, não menos que os incrédulos, estão assustados, mas aterrorizados de medo. Quanto à condição externa, não houve diferença entre eles. Porque, portanto, os filhos de Deus estão sujeitos a esse terror que obscurece todo sentido do favor de Deus na adversidade, de modo que essa doutrina deve ser mantida diligentemente, a saber, quando Deus dá o controle aos homens furiosos, para que eles se dissipem, derrube e destruam tudo. coisas, então os anjos estão sempre unidos, que restringem sua intemperança com um freio oculto, pois caso contrário eles nunca seriam moderados.

Artigo Relacionado  A humildade de Maria mãe de Jesus

Ele diz, portanto, que a glória do Deus de Israel ascendeu do querubim até o limiar. Ele leva a glória de Deus para o próprio Deus, como podemos prontamente coletar no próximo versículo; pois ele diz que Jeová havia falado. Mas esse discurso concorda muito bem, porque Deus não pode ser compreendido por nós, a menos que ele se adapte ao nosso padrão. Porque, portanto, Deus é incompreensível em si mesmo, nem apareceu a seu Profeta como ele realmente é (já que nem os anjos sustentam a imensa magnitude de sua glória, muito menos um homem mortal), mas ele sabia até que ponto era conveniente descobrir ele mesmo, portanto o Profeta aqui toma sua glória por si mesmo; isto é, a visão, que era um sinal ou símbolo da presença de Deus. Mas ele diz que ascendeu do querubim.

Aqui também há uma mudança de número, porque é dito que Deus se senta em todos os lugares entre os querubins. ( 2 Samuel 6: 2 ; 2 Reis 19:15 ; Isaías 37:16 .) Mas aqui apenas um querubim é colocado, mas essa figura de linguagem é bem compreendida, como é tão comum, pois Deus residia entre os querubins: diz-se que ele foi dali até o limiar do templo. Este foi um prelúdio para a partida, como veremos mais adiante. E esse testemunho foi necessário para os judeus, porque eles pensavam que Deus estava limitado pelo templo visível. Portanto, o Profeta mostra que Deus não estava fixo em um lugar, de modo a ser obrigado a permanecer ali.

Essa é a razão pela qual se diz que ele veio de seu assento até o limiar do templo. Agora, ele acrescenta, que clamou ao homem vestido com roupas de linho e cujo tinteiro estava ao seu lado, embora outros o traduzam. estojos de escrever: mas, como ele mais tarde diz, escreva na testa, é muito provável que a tinta estivesse em seu cinto, que ele pudesse marcar os eleitos de Deus, que os caldeus não os tocassem. Mais uma vez, ele chama o anjo de homem, mas por causa da forma que ele vestiu, como eu disse antes. Não posso prosseguir.

  • Comentário de E.W. Bullinger a glória, etc. Veja nota em Ezequiel 1:28 .

O Deus de Israel . Veja nota em Isaías 29:23 .

Deus Hebraico. Elohin, App-4. Querubim . Singular, como em Ezequiel 1:20 .

Ele: ou, é. a casa: ou seja, o edifício do templo.

O homem vestido de linho . Compare Daniel 10: 5 , Daniel 10: 6 . Apocalipse 1:13 .

  • Comentário de John Wesley

E a glória do Deus de Israel subiu do querubim, sobre o qual ele estava, até o limiar da casa. E chamou o homem vestido de linho, que tinha o tinteiro do escritor ao seu lado; A glória – O brilho glorioso, como às vezes apareceu acima dos querubins no lugar mais sagrado.

Partiu – Partindo do lugar em que tanto tempo morara.

Ele estava – não costuma sentar e aparecer.

Limiar – Do templo, em sinal de sua partida repentina dos judeus, por causa de seus pecados.

OBS: Presença e idolatria –  “Um terceiro aspecto da glória de Deus é a sua presença e poder espirituais. Os céus declaram a glória de Deus (Sl 19.1; cf. Rm 1.19,20) e toda a terra está cheia de sua glória (Is 6.3; cf. Hc 2.14), todavia o esplendor da majestade divina não é comumente visível, nem notado. Por outro lado, o crente participa da glória e da presença de Deus em sua comunhão, seu amor, justiça e manifestações, mediante o poder do Espírito Santo. […] Por último, o AT adverte que qualquer tipo de idolatria é uma usurpação da glória de Deus e uma desonra ao seu nome. Cada vez que Deus se manifesta como nosso Redentor, seu nome é glorificado (ver Sl 79.9; Jr 14.21). Todo o ministério de Cristo na terra redundou em glória ao nosso Deus (Jo 14.13; 17.1,4,5)” (Bíblia de Estudo Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, 1995, p.1183). https://versiculoscomentados.com.br/index.php/estudo-de-ezequiel-9-3-comentado-e-explicado/.

Conclusão

A glória de Deus transcende a qualquer coisa que o ser humano venha a produzir. A glória do Senhor esteve com Israel, no Antigo Testamento, com a Igreja Primitiva, em Atos, e também está em nossa vida. Experimente a presença de Deus. Jesus ainda salva, batiza com o Espírito Santo, cura os enfermos e opera sinais e maravilhas!

Sobre

Categorias

Categorias

Extras

No Portal você encontrará Comentários da EBD, Resumo de Livros e Esboços para Sermões

Subsídios para EBD
Sermões Bíblicos
Resumo de Livros

Dicas de Leitura
Subsídio para Missão

Aprenda Mais

Copyright © 2023 CTEC Vida Cristã. Todos os direitos reservados.