José: Fé em meio às Injustiças

José: Fé em meio às injustiças

JOSÉ: FÉ EM MEIO ÀS INJUSTIÇAS

 

José era o filho amado do patriarca Jacó. Deus tinha um plano na vida dele e esse projeto lhe foi revelado, pelo Senhor, por intermédio de alguns sonhos. É importante ressaltar que não eram os sonhos do jovem José, mas sim os planos de Deus para ele e sua família. Mas, José partilhou aquilo que era para ele com seus irmãos e seu pai no momento errado. Deus é a fonte de toda sabedoria. Ele nos concede sabedoria para administrar as crises.

Este jovem foi um sonhador. Seus sonhos o levaram até uma cova. Mas, a interpretação de alguns sonhos o levaram ao palácio e o fizeram governador do Egito. Com José aprendemos que os sonhos que Deus estabelece em nossos corações, não podem ser frustrados pelas injustiças, embora, isso não nos impeça de passarmos por várias situações difíceis.

A história de José nos revela como os descendentes de Jacó vieram a ser uma nação dentro do Egito. Esta seção de Gênesis não somente nos prepara para a narrativa do êxodo do Egito, como também revela a fidelidade que José sempre teve para com Deus, e as muitas maneiras como Deus protegeu e dirigiu a sua vida para o bem doutras pessoas. Ressalta a verdade de que nos justos podem sofrer num mundo mau e iníquo, mas que, por fim, triunfará o propósito de Deus reservado para eles”(Bíblia de Estudo Pentecostal. 1.ed.  Rio de Janeiro: CPAD, 2006, p. 90).

 

I – TEXTO BÍBLICO

(Gênesis 37.1-11).

1 – E Jacó habitou na terra das peregrinações de seu pai, na terra de Canaã.

2 – Estas são as gerações de Jacó: Sendo José de dezessete anos, apascentava as ovelhas com seus irmãos; e estava este jovem com os filhos de Bila e com os filhos de Zilpa, mulheres de seu pai; e José trazia uma má fama deles a seu pai.

3 – E Israel amava a José mais do que a todos os seus filhos, porque era filho da sua velhice; e fez-lhe uma túnica de várias cores.

4 – Vendo, pois, seus irmãos que seu pai o amava mais do que a todos os seus irmãos, aborreceram-no e não podiam falar com ele pacificamente.

5 – Sonhou também José um sonho, que contou a seus irmãos; por isso, o aborreciam ainda mais.

6 – E disse-lhes: Ouvi, peço-vos, este sonho, que tenho sonhado:

7 – Eis que estávamos atando molhos no meio do campo, e eis que o meu molho se levantava e também ficava em pé; e eis que os vossos molhos o rodeavam e se inclinavam ao meu molho.

8 – Então, lhe disseram seus irmãos: Tu, pois, deveras reinarás sobre nós? Tu deveras terás domínio sobre nós? Por isso, tanto mais o aborreciam por seus sonhos e por suas palavras.

9 – E sonhou ainda outro sonho, e o contou a seus irmãos, e disse: Eis que ainda sonhei um sonho; e eis que o sol, e a lua, e onze estrelas se inclinavam a mim.

10 – E, contando-o a seu pai e a seus irmãos, repreendeu-o seu pai e disse-lhe: Que sonho é este que sonhaste? Porventura viremos eu, e tua mãe, e teus irmãos a inclinar-nos perante ti em terra?

11 – Seus irmãos, pois, o invejavam; seu pai, porém, guardava este negócio no seu coração.

 

II – ARGUMENTAÇÃO HISTÓRICA

Registros egípcios contam que a fome, causada pelas estiagens nas cabeceiras do Nilo, durou muitos anos. A agricultura egípcia dependia das enchentes anuais ao longo do rio, que depositavam terra nova fértil tornando a irrigação possível. Também nesse aspecto a autenticidade do relato bíblico tem total sustentação histórica” Para conhecer mais leia, Guia do Leitor da Bíblia, CPAD, p.46.

José foi vendido e saiu de Canaã aos 17 anos, seu irmão benjamim tinha 5 anos, depois de ser escravo de Potifar, ser prisioneiro do rei, foi governador de todo o Egito aos 30 anos e só viu seu pai depois de 22 anos que estava no Egito, só ai então viu realizados seus sonhos aos 39 anos, quando agora já era governador de todo o Egito por 9 anos. José morreu com 110 anos.

Tempo da promessa

Estas são as gerações de Jacó. Sendo José de dezessete anos, apascentava as ovelhas com seus irmãos; sendo ainda jovem, andava com os filhos de Bila, e com os filhos de Zilpa, mulheres de seu pai; e José trazia más notícias deles a seu pai. Gênesis 37:2 E José era da idade de trinta anos quando se apresentou a Faraó, rei do Egito. E saiu José da presença de Faraó e passou por toda a terra do Egito – Gênesis 41:46.

Porque já houve dois anos de fome no meio da terra, e ainda restam cinco anos em que não haverá lavoura nem sega – Genesis 45:6. E morreu José da idade de cento e dez anos, e o embalsamaram e o puseram num caixão no Egito – Genesis 50:26. José levou 13 anos até ser governador + 7 de fartura + 2 anos de seca = 22 anos para ver seu pai novamente. Isso mesmo. Que coisa hein! Só se realizou totalmente seus sonhos depois de 22 anos. Família paciente. 25 de Abraão para nascer Isaque, 20 de Isaque para nascer Jacó, 14 de Jacó para casar com Raquel e 22 de José para realizar seus sonhos. Uma geração de paciência e perseverança. Isso é fé.

III –  JOSE CONHECEU A DEUS NO SEU LAR

1. José, o filho predileto de Jacó. José, o décimo primeiro filho de Jacó, era o primogênito de Raquel, a esposa que Jacó amava. Raquel faleceu quando José era ainda criança, mas ele cresceu cercado de amor. Certamente teve grande repercussão sobre a vida de José o encontro que seu pai Jacó teve com DEUS no Vau de Jaboque, quando exclamou: “A minha alma foi salva”.

José também teve  o seu encontro com DEUS. É absolutamente necessário que os lares dos crentes sejam verdadeiros viveiros espirituais. Onde impera o verdadeiro despertamento, o coração dos pais converte-se aos filhos (Lc 1.17).

2. José, o Jovem predestinado por DEUS. José. experimentou a manifestação do ESPÍRITO SANTO em toda sua vida. Ainda muito jovem teve dois sonhos proféticos, os quais lhe deram a certeza de que DEUS tinha alguma coisa preparada para ele,(Gn 37.5-10). Já adulto, recebeu de DEUS preparo para interpretar sonhos (Gn 40.8-22). DEUS prepara o crente para a obra que tem a fazer, através da operação do ESPÍRITO SANTO.

 

IV – JOSÉ AJUDA SEU PAI NA ADMINISTRAÇÃO DOS NEGÓCIOS

1. As excelentes qualidades de José.

Embora ainda muito novo, com apenas 17 anos, foi colocado pelo pai na administração de seus grandes rebanhos. Talvez tivesse sido mais apropriado colocar neste cargo a Rubem, o primogênito, mas este por causa de problema de ordem moral perdeu o direito à primogenitura (Gn 49.4). José, o primogênito de Raquel, assumiu esse cargo com muita eficiência. Isto explica a túnica de várias cores que Jacó deu a José. Era o tipo de túnica compatível com um cargo de gerência.

2. Os irmãos de José o odiavam.

O motivo era inveja. Não suportavam a lembrança dos sonhos que José tivera. É interessante observar que o ódio que os irmãos nutriam por José, não o prejudicou em sua vida espiritual. Isto é uma evidência de que antes de este ódio se manifestar, José já vivia em íntima comunhão com DEUS. Uma experiência com DEUS em profundidade é a mais grandiosa solução para cada jovem. Vivendo perto de DEUS, o crente vence qualquer forma de ódio e de resistência.

 

V –  JOSÉ É VENDIDO COMO ESCRAVO

1. A traição dos irmãos de José. 

Um dia Jacó enviou José a ver o estado de seus rebanhos (Gn 37.12-17). Seus irmãos, vendo-o de longe, sugeriram matá-lo. Porém. Rubem conseguiu impedi-los (Gn 37.21-22). Passando por aquele local, àquela hora, uma caravana de ismaelitas a caminho do Egito, venderam José como escravo àqueles mercadores. Para ocultar o que haviam feito, tingiram a túnica de José com sangue e enviaram-na a Jacó com a mensagem: “Conhece agora se esta será ou não a túnica de teu filho” (Gn 37.32). DEUS estava com José.

DEUS conosco é garantia de que todas as coisas que possam vir a acontecer, cooperam para o bem (Rm 8.28). DEUS guardou José de um mal pior que o ódio e a perseguição; DEUS guardou José de dar lugar à raiz de amargura (Hb 12.15). A história de José mostra que ele não foi acometido por este mal. Ver Gn 42.21 -24.0 crente em comunhão com DEUS não sofre dano em consequência de males que aparecem em seu caminho (Lc 10.19).

2. José na casa de Potifar.

José foi comprado por Potifar, capitão da guarda palaciana (Gn 39.1). O que Potifar não sabia era que, junto com José, a bênção do Senhor havia entrado em seu lar (Gn 39.2). Tudo prosperava nas mãos de José, e logo ele foi colocado sobre toda a casa de Potifar(Gn 39.4) Na casa de Potifar aguardavam José mais provações. A mulher de Potifar. pessoa sem moral, quis seduzir José. Mas, José, como homem de DEUS, repeliu-a dizendo: “Como pois faria eu este tamanho mal. e pecaria contra DEUS?” (Gn 39.9). Irada com a recusa, a mulher de Potifar arquitetou uma armadilha para José, e falsamente acusou-o. Potifar. crendo nas mentiras da mulher, mandou lançar José na prisão (Gn 39.10-20).

3. José na casa do cárcere.

O Senhor entrou com José no cárcere (Gn 39.21). O Senhor lhe deu graça diante dos olhos do chefe do cárcere, e logo este o investiu de autoridade sobre os demais presos (Gn 39.21-23). Ali no cárcere José teve oportunidade de interpretar o sonho de dois presos. “Não são de DEUS as interpretações?” (Gn 40.8). E da forma como José interpretou, assim aconteceu. Quando o copeiro-mor saiu do cárcere. José lhe disse: “Lembra-te de mim quando te for bem…faça menção de mim a Faraó*’ (Gn40.14).

 

VI –  JOSÉ É LEVADO À PRESENÇA DE FARAÓ

Passaram-se dois anos inteiros desde que o copeiro-mor deixou o cárcere, então ele lembrou do pedido de José (Gn 41.1).

1. José interpreta o sonho de Faraó (Gn 41.25-32).

Faraó teve dois sonhos. Os quais perturbaram o seu espírito e ele não encontrava quem os interpretasse. Foi então que o copeiro-mor se lembrou de José, e contou acerca dele a Faraó. Imediatamente, José foi conduzido à presença do soberano, que lhe contou os sonhos e José os interpretou.

A interpretação dos dois sonhos era uma só: Sete anos de fartura seriam seguidos de sete anos de fome, e que DEUS estava dando o aviso a fim de que nos anos de fartura se ajuntassem alimentos para suprir os anos de fome (Gn 41.25-37). (SH) Faraó, impressionado com a revelação divina, disse: “Acharíamos um varão como este, em quem haja o espírito de DEUS?” (GrT41.38).

E nomeou José governador de todo o Egito, com a incumbência de administrar o armazenamento e a distribuição de alimentos. José assumiu imediatamente o encargo. As abundantes colheitas foram devidamente armazenadas, a ponto de não ser possível numerar os estoques de trigo ajuntado (Gn 41.46-49).

2. José governa o Egito.

A escalada de José até o palácio não foi fácil. Quando finalmente chegou à posição de governador do Egito e foi o administrador do salvamento dos egípcios e de nações vizinhas, José pôde entender a lógica das diferentes etapas de seu árduo caminho, e de fato experimentar que muitas vezes “o Senhor tem o seu caminho na tormenta” (Na 1.3).

Assim dizem as Escrituras: “Todos os seus caminhos juízos são” (Dt 32.4), e. ainda: “Todas as veredas do Senhor são misericórdia e verdade” (SI 25.10). DEUS havia feito José entender a razão de seus muitos sofrimentos, por isso ele pôde dizer a seus irmãos: “Porque para conservação da vida DEUS me enviou diante da vossa face”(Gn45.7).

VII –  JACÓ ENVIA SEUS FILHOS AO EGITO

1. O reencontro de José com seus irmãos.

Tendo ouvido que Faraó estava vendendo trigo a todos os povos, Jacó mandou seus filhos ao Egito a fim de se abastecerem do cereal. Benjamim ficou com o pai. enquanto os dez se dirigiam ao Egito. Apresentarem-se a José. o qual facilmente reconheceu seus irmãos sem ser deles reconhecido.

José os interrogou acerca da família deles, e eles lhe contaram acerca do irmão mais moço. Para prová-los, José reteve a Simeão como refém até que voltassem a ele trazendo a seu irmão Benjamim.

2. O estratagema de José.

Os filhos de Jacó voltaram ao Egito na companhia de Benjamim e José ficou muito emocionado ao ver seu irmão, o filho mais moço de sua mãe Raquel. Quando seus irmãos se preparavam para retomar a Canaã José os submeteu a mais uma prova. Mandou esconder seu copo de prata nó saco de Benjamim.

E quando eles já estavam a caminho, enviou atrás deles emissários dizendo que o copo do governador estava desaparecido, que eles eram os suspeitos, e que aquele em cuja bagagem o copo fosse encontrado, ficaria no Egito como escravo de José.

O copo foi achado na bagagem de Benjamim, e todos voltaram à presença de José. Judá, então, fez a José uma emocionante súplica, oferecendo-se para ficar como escravo no Egito em lugar de Benjamim, porque: “Como subirei eu a meu pai se o moço não for comigo? Para que não veja eu o mal que sobrevirá a meu pai” (Gn44.18- 34).

José dá-se a conhecer a seus irmãos

E fora justamente Judá aquele que havia proposto que José fosse vendido como escravo aos ismaelitas. José entendeu que a natureza de seus irmãos havia verdadeiramente mudado. E deu-se a conhecer a seus irmãos: “E levantou a sua voz com choro…Eu sou José; vive ainda meu pai? E seus irmãos não puderam responder porque estavam pasmados diante da sua face” (Gn45.1-3).

Logo os irmãos retomaram o caminho para Canaã, não só levando consigo trigo, mas também levando consigo a incumbência de preparar a mudança de toda a família para o Egito. Ao anunciarem a Jacó que José ainda vivia e que era o governador do Egito, o seu coração desmaiou porque não os acreditava. Mas vendo os carros que José enviara para levá-lo ao Egito, reviveu o seu espírito (Gn 45.26-27). Não demorou muito até que toda a família, um grupo de 70 pessoas, estava descendo para o Egito (Gn 46. l-4).

 

VIII –  A FÉ DE JOSÉ O LEVOU AS BÊNÇÃOS E ELE DEMONSTRA A SUA GRATIDÃO A DEUS CUIDANDO DE SEU PAI ATÉ QUE ESTE MORRESSE

1 – José não ficou satisfeito porque seu pai tinha dado o direito de primogenitura ao mais novo de seus filhos.

Pegou nas mãos do velhinho e pôs a direita sobre a cabeça do mais velho e a esquerda sobre a cabeça do mais moço. Jacó, porém, insistiu em que o mais moço fosse o maior, ainda que o mais velho seria também grande na sua geração. Jacó sabia o que estava fazendo e sabia que esse ato tinha alcance além da observação de José. O espírito de profecia estava guiando todos esses atos, de modo que não era a mera vontade de Jacó, mas a de DEUS que estava sendo feita.

Por muitas outras vezes, DEUS transferiu os direitos de primogenitura do mais velho para o mais moço. José conformou- se com a vontade explícita de seu pai, por entender que esta seria a vontade de DEUS. Jacó, com toda a resignação e calma, anuncia que DEUS faria que eles voltassem à terra das promessas. Esta é a fé que vence. Quanto mais perto da sepultura, mais certo estava de que DEUS cumpriria a palavra dita tantas vezes.

2 – As Bênçãos de Jacó sobre Seus Filhos – cap. 49

Depois que abençoou os filhos de José e desta forma recompensou a fidelidade e o amor do filho querido, Jacó dispõe da sua última vontade em forma profética, declarando que todas estas coisas aconteceriam nos dias vindouros. Reunidos todos os filhos em torno do leito, o velho homem de DEUS começa a ler a sentença de cada um de acordo com as suas tendências e os feitos dos dias passados. A sentença foi proferida em forma poética, de modo que convém ao estudante descontar da linguagem o que faz parte simplesmente da poesia, a fim de melhor poder interpretar este admirável capítulo.

Todo poeta tem licença de dizer mais do que é necessário, e o poeta hebraico, pelo próprio estilo, exagerava mais ainda do que os ocidentais. Não se pense, entretanto, que nesta liberdade está incluída a liberdade de dizer o que não é, mas sim a de falar redundantemente e hiperbolicamente. Este é um dos mais belos espécimes da poesia oriental. A ocasião não podia ser mais oportuna. A família esperada estava em vias de formação e Jacó já antevia o dia da saída do Egito, em demanda da terra da promissão.

Portanto, era agora o tempo de dispor do futuro papel que cada filho representaria no desdobramento do plano de Jeová. Isto Jacó fez por inspiração divina, como se pode verificar no futuro cumprimento literal que estas palavras tiveram. Ao estudar este capítulo, convém ainda notar o significado dos nomes de cada filho, visto que cada nome foi dado de acordo com a ocasião em que nasceu. Note-se o que o mesmo filho faria no futuro e o significado final no eterno propósito de DEUS, confirme o Novo Testamento, especialmente no Apocalipse,capítulo 7. Estudo no livro de Gênesis – Antônio Neves de Mesquita – Editora: JUERP.

3 – José cuida de seu pai

José fez isto de forma a constituir-se em um exemplo para todos os tempos. Não somente deu a Jacó o sustento material, mas deu-lhe carinho e seu cuidado! É realmente melhor mostrar o nosso amor e o nosso cuidado aos nossos velhos pais enquanto os temos em vida, do que prestar-lhes homenagens junto à sepultura. “Honra a teu pai e a tua mãe, que é o primeiro mandamento com promessa” (Ef 6.2). Lições Bíblicas CPAD –  1º Trimestre de 1991 – A VIDA DE ABRAÃO – Comentários: EURICO BERGSTEN. Leia mais sobre a Fidelidade de Deus.

 

IX – ARGUMENTAÇÃO BIBLIOLÓGICA

O silêncio de José, a fome e a mulher de Potifar

Muitos tomam José como um tipo de Cristo: uma pessoa inocente que sofreu por causa da maldade dos outros e, através do qual, o povo escolhido foi liberto da morte certa. O silêncio de José enquanto seus irmãos deliberavam seu destino (Gn 37.12-35) prefigura o silêncio de Cristo perante os juízes (cf. Is 53.7; 1 Pe 2.23). O contraste entre Judá e José é forte (Gn 39.15,16). Ambos foram tentados sexualmente. Judá procurou o sexo ilícito, enquanto José recusou repetidos apelos da mulher de seu Senhor. José lembra-nos que nunca podemos dizer que o sexo nos levou a pecar.

A escolha é nossa, agir como Judá ou como José”  (RICHARDS, Lawrence. Guia do Leitor da Bíblia: Uma análise de Gênesis a Apocalipse capítulo por capítulo. 10.ed. Rio de Janeiro: CPAD, pp. 45,46). Para simbolizar o novo ofício de José, Faraó lhe deu o anel que usava, no qual estava estampado o selo de autoridade, vestiu-o de vestes de linho fino, e pôs um colar de ouro no seu pescoço. Deu-lhe um carro, no qual desfilou publicamente com a proclamação de que ele deveria ser honrado pela população.

Mudança de vida

Em seguida, mudou-lhe o nome para Zafenate-Paneia, que quer dizer ‘abundância de vida ou o deus fala e vive’. Por fim, José se casou com uma moça de família de alta posição da cidade sacerdotal de Om. José foi lançado em estreito contato com o paganismo do Egito, mas não foi vencido por ele.

[…] Quando se tornou o segundo governante mais poderoso em posição no Egito. Ele sabia exatamente o que fazer. Durante anos de colheitas abundantes, juntou todas as colheitas que iam além das necessidades imediatas do povo e as armazenou em numerosas cidades do Egito. Durante esse tempo, nasceram-lhe dois filhos. O primeiro foi chamado Manassés, ‘que esquece’, como testemunho de que Deus havia apagado dos pensamentos tristes e íntimos de José os anos de trabalho e de toda a casa de seu pai.

O segundo filho foi chamado Efraim, ‘dupla fertilidade’, como testemunho das providências misericordiosas de Deus na terra da sua aflição. Quando chegaram os sete anos de fome, o Egito estava preparado com uma grande provisão de alimentos armazenada para a emergência. Mas a seca cruzou as fronteiras do Egito e atingiu a Palestina e outros países vizinhos.

Dentro do próprio Egito, logo as pessoas sentiram fome e pediram comida. Sem demora, José as abasteceu de provisões segundo um plano já em execução. As pessoas tiveram a permissão de comprar os grãos armazenados e, assim, tiveram o suficiente para comer. Habitantes de outros países ficaram sabendo da provisão que havia no Egito e foram comprar alimentos” (Comentário Bíblico Beacon. 1.ed. Vol 1. Rio de Janeiro: CPAD, 2005, pp. 114,115).

 

CONCLUSÃO

Os irmãos de José eram invejosos e não aceitaram os seus sonhos. Com certeza, eles perceberam que Deus iria colocar José em uma posição de destaque na família. José tinha promessas de Deus para sua vida, mas isso não o livrou das crises. As crises não endureceram o coração de José, nem o afastaram de Deus. Elas contribuíram para moldar o caráter do jovem e prepará-lo para o palácio de Faraó.

Se você está enfrentando algumas crises, assim como José, não desanime. Não permita que a amargura e o sofrimento o afaste de Deus. Quem sabe o Senhor não esteja forjando o seu caráter e o preparando para algo especial?

 

Pastor Josaphat Batista – Pr. Presidente da Assembleia de Deus em Ibotirama-Bahia. Pós-Graduado em Docência do Ensino Superior. Bacharel em Teologia convalidado pelo MEC. Membro do CEECRE (Conselho Estadual de Educação e Cultura Religiosa da CEADEB). Diretor da ESTEADI (Escola Teológica da Assembleia de Deus em Ibotirama). Presidente do Conselho de Pastores e Líderes Evangélicos de Ibotirama (CONPLEI). Conferencista, Seminarista, Escritor e fundador dos Congressos EBD no Campo de Camaçari-Ba.

 

Deixe seu comentário
José: Fé em meio às Injustiças
Tagged on: