Conhecendo a Armadura de Deus

Conhecendo a Armadura de Deus

CONHECENDO A ARMADURA DE DEUS

 

Em continuidade a lição anterior, devemos atentar para não entrar nessa guerra sem as armas corretas. Se isso acontece poderemos sucumbir aos ardis e artimanhas de satanás, que está a todo tempo buscando a quem tragar.

 

 TEXTO BÍBLICO

(Efésios 6.13-20)

13– Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, havendo feito tudo, ficar firmes.

14- Estai, pois, firmes, tendo cingidos os vossos lombos com a verdade, e vestida a couraça da justiça,

15- e calçados os pés na preparação do evangelho da paz;

16- tomando sobretudo o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do maligno.

17- Tomai também o capacete da salvação e a espada do Espirito, que é a palavra de Deus,

18- orando em todo tempo com toda oração e súplica no Espirito e vigiando nisso com toda perseverança e súplica por todos os santos

19- e por mim; para que me seja dada, no abrir da minha boca, a palavra com confiança, para fazer notório o mistério do evangelho,

20- pelo qual sou embaixador em cadeias; para que possa falar dele livremente, como me convém falar.

 

DEFINIÇÃO DE ARMADURA

1 – Armadura de Deus

– O que é armadura? Armadura é um tipo de roupa especial usada como proteção. Por que nós precisamos de uma armadura? Porque o diabo é inimigo de Deus e como nós somos filhos de Deus, ele é nosso inimigo também.

2 – O que fazer com a armadura?

Deus nos faz uma promessa: Ele diz que se colocarmos a Sua armadura, a proteção especial que Ele nos deu, nós iremos resistir ao dia mau. Quando o diabo nos atacar com tentações, para nos fazer pecar, não iremos ceder. Seremos capazes de ficar firmes e não cair diante do inimigo.

3 – Como é a armadura de Deus?

– A armadura de Deus é espiritual. Você não pode ver, mas você pode colocar em prática na sua vida diária com Deus.

ARMADURA & ARMAS

A localização da Palestina no encontro de três continentes lhe deu uma importância estratégica no Velho Mundo de proporções um tanto superdimensionadas. Circundada pelas grandes potências militares (Egito, Mesopotâmia, os hititas de Anatólia), aquela faixa de terra era constantemente alvo das ambições agressivas de outras nações.

A invenção de novas armas, fortificações e táticas exerceram profunda influência sobre outras invenções. Inovação tática de um lado levava a invenção de contra-armas de outro.

Os três elementos básicos da arte de guerrear são mobilidade, poder de fogo e segurança. As armas em si raramente determinavam os resultados da batalha, particularmente quando ambos os lados estavam competindo equilibradamente.

A habilidade com que estratégia e tática foram disponibilizadas, o espírito do comandante em dirigir sua tropa e a precisão com que elas manejam suas armas foram fatores importantes em muitas batalhas mencionadas na Bíblia. Se bem que a Bíblia deixa claro que o fator mais decisivo para o sucesso de Israel na guerra foi sua obediência e a vontade de Deus.

 

ARMAS DE ATAQUE

– O arsenal de um comando militar na antiguidade consistia da variedade de armas ofensivas destinadas a manter o inimigo envolvido a longo, médio e curto prazo. O arco e o estilingue eram as principais armas desenvolvidas para um conflito de longa distância, o dardo e a lança para média distância; a espada, o machado e a clava para curta distância.

 

ARCO

Os primeiros arcos eram feitos de uma peça de madeira sazonal. Nenhum tipo de arco de madeira, entretanto, tinha a leveza, rigidez e elasticidade requerida.

Pouco a pouco pensou-se em combinar diversas madeiras naturais, partes de chifre e tendões de animal, e chegar-se à construção de um arco que conjugasse todas as demandas.

A composição do arco resultante tornou-se uma arma de suprema importância. O arco de corda era feito de cipó, corda natural, couro curtido ou de intestinos de boi ou camelo.

O arco era retesado com a mão (II Reis 13:16), usualmente curvado com o pé, o que requeria força considerável. (II Samuel 22:35; Jeremias 51:3).

 

FUNDA

Complementando o arco havia a funda, usada originalmente pelos pastores para afastar animais que molestassem suas ovelhas (I Samuel 17:40). A funda gradualmente assumiu importância como uma arma de guerra, sendo sua principal vantagem a simplicidade.

Uma funda não só exigia pequena habilidade técnica para ser produzida, como as pedras usadas como projéteis estavam disponíveis no chão. Um fundista treinado podia atirar um míssil a 183 m de distância em qualquer terreno.

A capacidade da funda para atirar em ângulo ascendente numa ladeira íngreme era particularmente importante num ataque a uma cidade cercada de fortificações. Sua principal desvantagem era que requeria treino intenso e experiência para conseguir habilidade no seu uso (Juízes 20:16).

 

DARDO E LANÇA

– Essas duas armas eram empregadas para combates de média-distância e eram similares em aparência, mas diferentes em comprimento e operação.

O dardo, geralmente mais leve e menor que a lança, era usado para lançamento. Parecia um grande arco que era arremessado com a mão.

A lança era similar, porém maior, mais pesada e empregada inicialmente como uma arma contundente (Números 25:7-8). Os monumentos militares mais antigos conhecidos mostram que a lança já estava bem desenvolvida.

 

ESPADA

– Um dos primeiros objetos feitos de ferro, a espada era empregada para perfurar ou golpear. A espada perfurante desenvolvida como uma lâmina estreita e longa, se afinava na ponta para furar o corpo. Suas bordas finas eram tão afiadas que podiam servir como instrumento de corte.

A espada golpeante, por outro lado, tinha somente uma borda afiada, com a parte mais larga da lâmina não no centro mas ao longo de sua borda cega. Essa espada era quase sempre curva, dando-lhe muitas vezes a aparência de uma foice, mas com a borda externa, convexa afiada como a lâmina cortante.

O amplo uso das espadas de lâmina longa naquele tempo, explicam a frase repetidamente usada na Bíblia para descrever as conquistas de Josué sobre os cananitas: Josué os atingiu com a borda da espada (Josué 8:24; 10:28-39). Essa expressão seria imprópria para a ação de uma espada curta, reta e estreita usada como uma arma contundente.

Um excelente exemplar de espada curva foi encontrado em Gezer na Palestina, no túmulo de um nobre, datando da primeira metade do século 14 AC. O mesmo tipo de lâmina foi também retratado numa antiga escultura em marfim de Megido, nos idos do séc 13 AC.

Durante aqueles séculos ocorreram avanços na tecnologia de forjar o ferro, que se refletiram no desenvolvimento de espadas retas, muito usadas por alguns povos, entre eles os filisteus.

No tempo de Saul, os filisteus usaram sua tecnologia para se estabelecerem como habitantes da cidade e como presença militar dominante na terra. Sua superioridade militar baseava-se em carruagens e numa infantaria equipada com armamentos pessoais de alta qualidade.

Supervisionavam cuidadosamente a forjaria do metal bruto e impediam os israelitas de desenvolverem suas próprias forjarias (I Samuel 13:19-22). A alternância de poder dos filisteus para os israelitas não poderia ocorrer a menos que essa situação se modificasse.

Observação: A Espada do Espírito

“Guardo no coração as tuas palavras, para não pecar contra ti”. Salmos 119:11

– Em primeiro lugar, precisamos conhecê-la. Um soldado, antes de aprender a atirar, deve primeiro conhecer a arma que vai usar para depois manusea-la corretamente. Há muitas pessoas andando com Bíblia embaixo do braço, dentro do carro, guardando na estante, carregando na bolsa ou deixando aberta em cima da mesa (geralmente no Salmo 91), como se fosse um amuleto da sorte. Mas nem sequer abrem a Bíblia para lerem de vez em quando.  Para conhecer essa arma é preciso ler, estudar e meditar diariamente.

Depois é preciso aprender a usá-la, como Jesus, quando estava no deserto e foi tentado por Satanás. Satanás usou contra Jesus as suas armas, mas Jesus o venceu com o poder da Palavra: Está escrito! O que Deus escreveu ninguém pode mudar e o inimigo sabe disso.

Ele sabe que quando a espada do Espírito é liberada pela nossa boca ele não tem mais chance para nos vencer. Você sabia que a sua boca é a maior arma contra o inferno quando se abre para declarar a Palavra? Paulo disse: “Eu escrevi a vocês, jovens, porque vocês são fortes e a palavra de Deus está em vocês, e vocês já venceram o maligno”. I Jo 2:14 – https://salinhaebd.blogspot.com/2010/11/armadura-de-deus-para-juniores-o-que-e.ht

 

CLAVA E MACHADO

– A clava e o machado, desenvolvidos como alternativa para a espada antes que o metal bruto fosse forjado, eram destinados para luta manual. Consistiam de um punho de madeira comparativamente curto, uma de suas extremidades revestida de uma cabeça letal feita de pedra ou metal.

As armas eram balançadas como um martelo para obter o efeito de um soco. A cabeça tinha que ser presa fortemente ao punho para prevenir que se soltasse ou quebrasse.

O punho de ambos, tanto da clava quanto do machado, tinha que ser alargado, estreitando-se em direção à ponta, para prevenir que a arma escorregasse da mão do guerreiro quando manuseada. Essas armas eram carregadas na mão ou atadas à cintura através de um cinto. A clava era usava para surrar e esmagar, o machado para perfurar e cortar.

 

 PROTEÇÃO DEFENSIVA

– A mobilidade de um exército e seu poder de fogo estariam seriamente comprometidos, se os soldados não estivessem individualmente protegidos no campo de batalha.

 

1 – Os Calçados do Evangelho da Paz

Os filmes e os vídeos-games, nos mostram que todo guerreiro, ao entrar em uma guerra, deve estar sempre preparado para enfrentar e resistir aos ataques do inimigo e, também, contra-atacar.

– Um soldado despreparado, sem armas e sem uma estratégia de guerra é um sério candidato à morte. Nós vivemos em uma luta constante contra um inimigo que não nos dá descanso. Em todo tempo ele está preparando armadilhas espirituais, laços, para nos apanhar de surpresa.

A Palavra diz em: 1 Pe 5:8 “sedes sóbrios, vigiai, porque o diabo, vosso inimigo, anda ao vosso derredor, rugindo como leão, procurando a quem possa tragar.” Por isso, não devemos desviar nossos pés do caminho de Cristo. Os calçados do evangelho da paz, nos protegem dos desvios, dos atalhos que o diabo põe no nosso caminho.

2 – O Cinto da Verdade

“E conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”. João 8:32 – O cinto da verdade é uma arma de defesa. Mas como usar esse cinto? O texto diz: Estai, pois, firmes, tendo cingido os vossos lombos com a verdade. Cingir quer dizer: rodear, cercar, envolver em torno.

Isso quer dizer que devemos estar rodeados pela verdade, envolvidos na verdade, cercados pela verdade. E alguém pode me dizer quem é a verdade? A verdade é uma pessoa: Jesus (João 14:6) Só através d’Ele que vamos a Deus. A mentira é filha do diabo.

– Não podemos permitirmos que as “mentirinhas”, façam parte da nossa vida, mesmo as que parecem tão “pequenininhas”, tipo: Primeiro de abril!, ou aquelas que as pessoas costumam chamar de mentirinha branca: Diz que não estou! E coisas desse tipo. As mentirinhas nos tornam tão mentirosos como o próprio diabo. Se fizermos o que ele faz, se jogarmos no time dele, como nós lutaremos contra ele? Seremos derrotados.

3 – O Escudo da Fé

“Sem fé, é impossível agradar a Deus”. Hebreus 11:6

Esse escudo não é um escudo qualquer, feito de aço, ferro ou qualquer um outro elemento físico. A matéria-prima do desse escudo chama-se FÉ.

 

ESCUDO

Destinado a estabelecer uma barreira entre o corpo de um soldado e a arma de seu inimigo, o escudo era um dos mais antigos meios de proteção.

No tempo dos juízes e dos primeiros reis israelitas, importantes guerreiros eram freqüentemente protegidos por um escudo bem grande. Era carregado num suporte especial que permanecia sempre do seu lado direito e desprotegido, funcionando como um guarda-corpo (Juízes 9:54; I Samuel 14:1; 17:7; II Samuel 18:15).

O lado direito de um combatente armado era desprotegido porque ele carregava suas armas na mão direita e o escudo na esquerda.

O suporte do escudo, no entanto, tinha que ficar no seu lado mais vulnerável – o direito – para protegê-lo (I Samuel 17:41; Salmo 16:8). Naquele tempo era comum ungir o escudo como parte da consagração de um guerreiro israelita e suas armas de batalha (II Samuel 1:21).

 

COURAÇA

A couraça pessoal protegia o corpo do combatente de ferimento enquanto usava suas mãos livremente para manejar suas armas. O modelo primitivo de couraça deu origem à longa armadura. Consistia de uma túnica comprida feita de couro ou alguma fibra resistente.

Era relativamente simples de ser produzida, leve o suficiente para permitir total mobilidade e oferecia proteção para o peito, abdome, costas, coxas e pernas. Equipado dessa forma, o soldado precisaria ter somente um pequeno escudo para proteger os braços e o rosto.

Na era do Bronze foi desenvolvido o casaco de malha, que consistia em centenas de pequenas peças sobrepostas de metal unidas como escamas de peixe e costuradas na superfície de uma túnica de tecido ou couro. Antigos documentos afirmam que entre 400 e 600 grandes escamas e muitas centenas de escalas menores eram usadas na produção de um único couraça.

Escamas menores e fileiras mais estreitas eram usadas nas partes que requeriam mais flexibilidade, como a garganta e o pescoço. A peça resultante era relativamente flexível, permitindo liberdade de movimento, enquanto as escamas de metal rígido possibilitavam maior proteção pessoal do que o couro e a fibra.

OBS: o termo “Justiça”

Justiça de Deus, [Do hb. tsadik; do gr. dikaios; do lat. justitia] Atributo moral e básico de Deus, manifestado pela fidelidade com que o Supremo Ser trata seus propósitos e decretos. É a sua fidelidade com a própria natureza.

A justiça de Deus entra em ação todas as vezes que a sua santidade é agredida. Sua justiça e santidade acham-se intimamente associadas; não se pode abstrair uma da outra sem violar sua inefável natureza. Justiça Original. Condição moral e espiritual que o ser humano recebeu de Deus quando de sua criação.

O homem era naturalmente bom. Tendia a executar o que era reto e justo. Mas o pecado afetou-lhe a natureza de forma flagrante e quase que irremediável. Aceitando porém a Cristo, os descendentes de Adão e Eva são, não somente justificados, como transformados pelo Espírito de Deus.

A regeneração faz com que readquiramos a justiça original e passemos a viver sob o mando da justiça de Cristo. Este ensino encontra-se na maioria das epístolas paulinas (Ef 4.24; Rm 8.29; 2 Co 3.18)” (ANDRADE, Claudionor de Corrêa. Dicionário Teológico. Rio de Janeiro; CPAD, 1998, pp.197-98).

 

CAPACETE

Considerando-se que a parte mais vulnerável de um soldado em combate era sua cabeça, havia, desde o fim do quarto milênio AC, preocupação com alguma forma de capacete protetor. Capacetes de bronze foram usados por Golias e por Saul (I Samuel 17:5, 38).

Embora durante séculos fosse equipamento básico para a infantaria pesada de exércitos estrangeiros, o capacete não parecia ser uma proteção comum dos soldados do exército israelita durante o período da monarquia unida.

Dentre as reformas militares introduzidas pelo Rei Uzias no séc. IX AC estava a provisão de capacetes para o exército do reino de Judá (II Crônicas 26:14).

Entretanto, como a Bíblia deixa claro, Deus é a verdadeira Cabeça e Protetor de seus guerreiros e quando Israel se esquecia disso, seus soldados eram derrotados. Fonte: iLúmina

Observação: O Capacete da Salvação

“Nenhuma condenação há, para os que estão em Cristo Jesus” Romanos 8:1Para que serve o capacete?

Ele tem a função específica de proteger a cabeça, e é equipamento de segurança obrigatório para quem anda de moto, de bicicleta, brinca de skate ou patins, pratica algum esporte de risco, trabalha em construções etc. Ele protege a nossa caixa craniana contra traumatismos.

Na nossa guerra espiritual, também precisamos de um capacete que guarde a nossa mente, pois este é o nosso maior campo de batalha. A parte mais importante do soldado é a cabeça, pois ela comanda todo o corpo e atingindo a cabeça, todo o corpo cai. Satanás sabe disso e investe constantemente criando formas atraentes e criativas para encher a nossa cabeça de idéias, pensamentos e ensinos, contrários à Palavra de Deus.

Ex: fantasias sexuais, pornografia, pensamentos de prostituição, (ser virgem é careta), planos de vingança, vícios, pensamentos de suicídio, em fim…. Tudo isso são ataques   de espíritos mundanos na mente.

https://salinhaebd.blogspot.com/2010/11/armadura-de-deus-para-juniores-o-que-e.ht

 

CONCLUSÃO

Tomar a armadura de Deus – Para vencermos o diabo em nossa luta externa é tomar toda a armadura de Deus. O Senhor foi misericordioso conosco ao colocar essas palavras em seu livro.

A armadura de Deus é uma ilustração mais prática dessa luta. Ela trata dos pontos principais que devemos atentar para “que possais resistir no dia mau e, havendo feito tudo, ficar firmes” (Efésios 6:13).

Esse é o objetivo da armadura. Resistir aos intentos de satanás pois ele certamente se levantará contra todo aquele que deseja conhecer a plenitude do nosso Senhor. Se esse é o seu desejo saiba que haverão lutas e a armadura te ajudará a permanecer firme em Deus.

Referências

– Bíblia de Estudo Palavra Chave (ARC)

– A Bíblia de Estudos das profecias. E.R.A.

– Dicionário Online

– Apontamentos Teológico do Autor

Deixe seu comentário
Conhecendo a Armadura de Deus
Tagged on: