A Mordomia do Corpo

A Mordomia do Corpo

A Mordomia do Corpo

A Mordomia do Corpo é um das temáticas mais importantes para o Cristão. Nosso corpo não é a realidade final de nosso ser.

O seu movimento é proveniente do sopro que do Criador recebemos (Gn 2.7). Através dele, cabe-nos glorificar a Deus, pois não é instrumento de imundície, mas de santificação (1 Co 6.18-20).

Texto Bíblico (1 Coríntios 6.13-20).

Definindo o termo “Corpo”

O  termo hebraico “bāsār” e o grego “sōma” designam a corporalidade individual, tanto dos homens como dos animais. É a parte visível, externa e material do homem, mediante a qual o sujeito tem uma existência terrena ou somática.

O corpo do homem e dos animais foi criado do pó da terra (Gn 1.24,25; 2.7), mas são distintos (1 Co 15.39). Após a Queda, o corpo do homem ficou sujeito ao cansaço, às enfermidades, à corrupção, à ignomínia e à fraqueza (1 Co 15.42,43).

Por isso, a Bíblia diz que é necessário que esse corpo corruptível se revista de incorruptibilidade (1 Co 15.53).

A Natureza Material do Corpo

1. A estrutura do corpo humano.

A Bíblia declara que Deus fez o homem do pó da terra (Gn 2.7), e a ciência afirma que o corpo é constituído de vários elementos químicos terrígenos.

Tais elementos são enumerados como cálcio, carbono, cloro, flúor, hidrogênio, tintura de iodo, ferro, magnésio, manganês, nitrogênio, oxigênio, fósforo, potássio, silicone, sódio, súlfur. Juntos eles não ultrapassam 6% de todo o corpo e o restante é composto de água, carbono e gases. A Bíblia afirma que o corpo humano “é da terra, terreno” (1 Co 15.47-49). Essa é a parte material do ser humano.

2. Ilustrações tipológicas da natureza material do corpo.  

a) Tabernáculo ou tenda (2 Co 5.1; 2 Pe 1.13,14). Esses textos referem-se ao corpo como algo provisório, assim como o Tabernáculo o era para Israel, na sua peregrinação pelo deserto. Nosso corpo é o tabernáculo ou santuário de Deus, que é o cristão verdadeiro.

O corpo é o invólucro da alma e do espírito que um dia dará lugar a um corpo espiritual, glorioso e incorruptível. Assim como o Tabernáculo de Israel exigia cuidado para a sua manutenção e preservação, nosso corpo material requer atenção, zelo, manutenção e pureza.

b) Templo de Deus (1 Co 6.19). Nosso corpo deve ser o templo de Deus e para sua glória. A mordomia do corpo implica reconhecer que o mesmo é de Deus, e deve ser conservado santo e agradável a Ele (Rm 12.1; 1 Co 6.20). 

c) Vaso de barro (Lm 4.2;2 Co 4.7; 2 Tm 2.20,21). Essa designação tem o objetivo de mostrar a fragilidade do nosso corpo e, também, destacar a importância e utilidade desses vasos para a obra de Deus.

Saúde ou Culto ao Corpo?

Culto ao corpo

É óbvio que devemos cuidar do corpo, todavia, a sociedade moderna, influenciada pela mídia, vem cometendo excessos nessa área.

O que temos visto é um verdadeiro “culto à boa forma física”, onde os padrões estéticos ditados pelos meios de comunicação são cada vez mais altos e inatingíveis, levando milhares de pessoas às academias de ginásticas e às clínicas de cirurgias plásticas.

Muitos, até mesmo crentes, na busca do corpo perfeito, deixam de comer ou se submetem às dietas da moda, sem orientação médica, prejudicando a saúde. Precisamos vigiar, pois sabemos que “o mundo jaz do Maligno” (1 Jo 5.19 – ARA).

O dever de cuidar do corpo

Fomos criados para a glória de Deus (Is 43.7). Portanto, toda nossa essência deve ser conservada pura, santa e agradável a Deus (Rm 12.1,2).

Controlar o estresse, fazer uma caminhada, manter uma dieta equilibrada é essencial para a saúde física e mental de qualquer ser humano.

Artigo Relacionado  A Mordomia da Adoração

Muitos pastores se descuidam da saúde física em razão de estarem sobrecarregados com diversas atividades, compromissos ministeriais, estudo, trabalho, família etc. O resultado disso é a incidência cada vez maior de obreiros com problemas cardiovasculares.

De acordo com os especialistas, a melhor maneira de prevenir as doenças do coração é reduzir a exposição aos fatores de risco: obesidade, diabetes, hipertensão, níveis altos de colesterol e vida sedentária. Cuidar do corpo é questão de bom senso.

A Fórmula Química do Corpo Humano

A fórmula química do corpo humano foi assim calculada:

– 05 partes de matérias minerais;

– 13 partes de gorduras;

– 16 partes de albumina;

– 66 partes de água.

Equivale a dizer que se deduzimos a água, a quase totalidade do que resta no corpo humano compõe-se de matérias protéicas.

As matérias protéicas são os constituintes essenciais dos tecidos. Todos os elementos químicos, nos processos de digestão e oxidação, produzem calorias, mas o objetivo principal da ingestão das proteínas é reparar as perdas de elementos albuminosos, que, em proporção de trinta a setenta gramas, o adulto destrói por dia.

Esta reparação é algo absolutamente essencial. Quando não é possível obter estes elementos do alimento, o corpo extrai-os dos seus próprios tecidos, causando o enfraquecimento que se observa durante um jejum, ou quando, por razões de enfermidade, a assimilação é imperfeita.

Em investigações onde se procedeu ao desdobramento de uma molécula proteica, resultou a verificação de que se trata de uma micro–estrutura muito complexa, ao contrário do que se supunha até aí.

No processo de análise desta molécula foram isolados vinte e um aminoácidos, aos quais se atribuíram determinados efeitos no processo digestivo e assimilativo.

Buscando o equilíbrio

O cuidado excessivo com o físico faz com que muitos crentes negligenciem a vida espiritual (Mc 8.36,37). Jesus afirmou que somos o sal da terra, e o sal representa equilíbrio, harmonia, moderação.

É claro que precisamos cuidar do corpo e da nossa aparência, mas, sem exageros. Não podemos nos deixar levar pelos padrões impostos pelo mundo.

Devemos, sim, nos adequar aos modelos divinos a fim de que em tudo o Senhor seja glorificado (1 Pe 4.11).

Cuidar do corpo é recomendação bíblica, mas cultuá-lo é idolatria. O cristão deve buscar o equilíbrio para sua saúde mental e física através de uma boa dieta, caminhada, não se estressando e usando o bom senso.

O Templo de Deus

Nosso corpo é santuário de Deus

A mordomia do corpo implica em reconhecer que o mesmo pertence ao Senhor, e, portanto, deve ser santo e agradável a Deus (Rm 12.1; 1 Co 6.20).

Quando recebemos a Jesus Cristo como Salvador, mediante a , nosso corpo, outrora dominado pelo pecado, torna-se um santuário ou morada do Espírito Santo.

Temos, então, a responsabilidade de mantermos esse santuário sempre arrumado, limpo e santo.

Nosso corpo pertence a Deus

Muitos acham que têm o direito de fazer o que quiserem com seu corpo. Esses tais imaginam que isso é liberdade.

Porém, na realidade, não passam de escravos de seus próprios desejos. Nosso corpo não nos pertence, pois fomos comprados por bom preço (1 Co 6.19,20). S

eu corpo é propriedade do Senhor, por isso não viole os padrões de vida estabelecidos por Ele. Uma boa mordomia do corpo implica reconhecer que ele pertence ao Senhor e lhe é santuário.

Pecados contra o corpo

Pecar contra o corpo “é transgredir as leis que regem o funcionamento normal do corpo” (1 Jo 3.4). Vejamos alguns exemplos:

Glutonaria.

Atualmente muitas são as opções para se comer além dos limites: rodízios de carne, massas, self-service sem balança etc.

Artigo Relacionado  Cristo é a nossa reconciliação com Deus

A Palavra de Deus é incisiva contra o pecado de glutonaria (Lc 21.34; Gl 5.21; 1 Pe 4.3). O consumo exagerado de alimentos resulta em obesidade, um mal que está associado principalmente às doenças cardiovasculares.

Muitos crentes em Jesus preocupam-se somente com o bem-estar da alma, esquecendo-se de que também precisam zelar pelo corpo através de uma alimentação equilibrada.

Fornicação.

Diz respeito à prática sexual entre pessoas solteiras. Trata-se de um pecado contra o corpo. É obra da carne (Gl 5.19; Ef 5.3). O solteiro que não teme a Deus não consegue dominar seus desejos.

Mas, os autênticos servos do Senhor contam com a ajuda daquEle que habita em nós, o Espírito Santo (1 Co 6.20). Muitas são as conseqüências do pecado contra o corpo.

Atualmente temos visto o crescente aumento do número de pessoas infectadas com o vírus HIV (vírus da AIDS) que pode ser facilmente contraído em relações sexuais.

Segundo dados do Ministério da Saúde, de 1980 a junho de 2007 foram notificados no Brasil 474.273 casos de AIDS. A Bíblia diz que o salário do pecado é a morte (Rm 3.23).

Adultério.

Diz respeito às relações sexuais de pessoas casadas com outras casadas ou solteiras. Deus abomina o adultério (Êx 20.14; Lv 18.20; Dt 5.18), pois contraria a lei natural do matrimônio e da monogamia.

É uma atitude que entristece a Deus porque mostra que preferimos seguir nossos próprios desejos a nos colocarmos sob a direção do Espírito Santo. Jesus deixou claro que o adultério ocorre no coração, antes do ato (Mt 5.28).

Prostituição.

Diz respeito a todas as práticas sexuais pecaminosas, inclusive o homossexualismo (Dt 23.17; 1 Co 6.10,16; 1 Ts 4.3). O Diabo tem feito de tudo para levar o máximo de pessoas à perdição eterna.

Infelizmente, muitos estão facilitando as coisas para ele: assistindo a filmes impróprios, acessando sites inconvenientes, lendo revistas pornográficas, e tantos outros vícios mundanos. Não dê lugar ao Diabo! (4.27; Pv 1.10; 5.1-23).

Não contamine seu corpo e sua alma! A retidão diante do Senhor resulta em saúde física, mental e espiritual. A glutonaria, a fornicação, o adultério e a prostituição são alguns pecados contra o corpo.

As consequências dos pecados contra o Corpo

Os pecados contra o corpo trazem consequências negativas tanto para a pessoa que o pratica quanto para outras que são levadas a cometer tais pecados. Sem falar nos filhos que são vítimas inocentes, herdando doenças e até deformações físicas pela imprudência dos pais.

Doenças Sexualmente Transmissíveis.

São resultado de uma vida promíscua e sem respeito às leis divinas. Comprovadamente, essas doenças resultam de relações sexuais ilícitas. Só o pecado pode produzir esses males contra o corpo e contra a alma. O texto de 1 Coríntios 6.12-20 exorta o crente a não expor seu corpo à prostituição por ser ele o templo do Espírito Santo.

Toxicomania. É o uso de drogas narcóticas.

A dependência da droga está vinculada a impulsos psicológicos e emocionais, e provoca conflitos íntimos, dando origem a neuroses, além de males de toda espécie contra o usuário, sua família, as autoridades e a sociedade em geral.

Alcoolismo e tabagismo.

Você poderia perguntar qual a relação desse assunto com os crentes, e eu lhe responderia que o objetivo desta lição alcança o não crente, como também busca prevenir os jovens que podem ser influenciados pela propaganda sórdida e infame.

As bebidas alcóolicas e o fumo são dois grandes males da nossa sociedade que, infelizmente, fazem parte do status.

A mordomia bíblica do corpo abstém-se e condena formalmente esses dois males que tanto prejudicam a pessoa no seu todo e não apenas o seu organismo e sua saúde.

A Bíblia está cheia de conselhos para que o corpo humano seja mantido puro, saudável, pois nele deve habitar o Espírito Santo.

A Palavra de Deus enfatiza a temperança como fruto do Espírito (Gl 5.22). Devemos cuidar de nosso corpo de modo que, através dele, glorifiquemos a Deus (1Co 6.19,20; Rm 12.1).

Artigo Relacionado  A Mordomia da Família

Canais para o Pecado

1) Visão.

As pessoas são induzidas a pecar através da “concupiscência dos olhos” (1 Jo 2.16). Concupiscência é a força do desejo impuro e lascivo despertada através do que se vê. É pela visão de algo proibido, que muitas pessoas pecam contra “o seu tabernáculo” desonrando-o com o adultério, a fornicação, a imoralidade sexual e o furto (Êx 20.14: Gl 5.19-21). 

a) Tipos de olhos. Olhos altivos (Pv 6.17; Is 2.11), olhos malignos (Pv 23.6), o olho mau (Mt 6.23; Pv 28.22), olhos zombeteiros (Pv 30.17), olhos cheios de adultério (2 Pe 2.14). Jesus falou que os “olhos são a candeia do corpo” (Mt 6.22). Portanto, devemos cuidar dos olhos para que sejam luz e não trevas (Mt 6.23).

b)Visão e instintos naturais. O pecado age como um “vírus contagioso” e, quando ataca a faculdade da visão, explora os instintos da aquisição, da fome, da sede e da reprodução.

Vejamos como isso acontece:

Primeiro, para satisfazer o instinto da aquisição, a concupiscência dos olhos conduz ao furto, ao enriquecimento ilícito, ao engano e à defraudação material (Êx 20.15; Mc 10.19; Lc 18.20; Rm 13.9; Ef 4.28).

Segundo, para satisfazer o instinto de fome e sede, a concupiscência dos olhos atrai a pessoa à glutonaria e bebedice, denominadas “obra da carne” (Gl 5.21; Pv 23.2; Lc 21.34; Rm 13.13; 1Pe 4.3).

Em terceiro lugar, para satisfazer o instinto da reprodução, a concupiscência dos olhos atua como força impulsora para os pecados sexuais. 

2) Olfato e paladar.

São faculdades físicas ligadas aos instintos naturais da satisfação da fome e sede, os quais também podem se tornar condutores de pecado contra o corpo.

Os pecados de glutonaria e embriaguez são estimulados pelo paladar (Lc 21.34). Quando o paladar está sob a força do poder do pecado o homem perde o controle desse instinto natural de sua vida (Gl 5.21). 

3) Audição.

O Diabo explora os sons para perturbar a alma e o espírito. Hoje, na busca de preencher o vazio interior, os jovens são atraídos pela parafernália dos sons estridentes do rock e outros tipos similares, também repulsivos e condenáveis.

Esse tipo de música escraviza, prejudica a audição, reproduz mensagens ocultas de satanás e blasfemam contra Deus. 

4) Tato.

É o outro sentido corporal que se manifesta através das mãos, dos pés e outros órgãos do corpo. A Bíblia fala muito das mãos e da sua utilidade no corpo. O mordomo cristão deve administrar, tanto os pés como as mãos para a glória do Senhor. Nenhum órgão do corpo pratica qualquer ato por si mesmo, porque todos são comandados pela alma e espírito. 

a) As mãos são importantes. A Bíblia fala do valor das mãos: o fruto do trabalho das mãos (Pv 10.4); mãos que engrandecem (Pv 31.31); mãos que sustentam (Mt 14.31); mãos que abençoam (Mt 19.13); mãos que trabalham (1Ts 2.9); mãos de Judas Iscariotes (Lc 22.21); mãos do apóstolo Pedro (At 9.41); mãos de Herodes (At 12.1); mãos de Paulo (Gl 6.11).

b) E os pés? Nossos pés devem ser consagrados para andar em retidão na presença de Deus (Gn 5.24; 6.9; 17.1). Andar com sinceridade e segurança (Pv 10.9); andar na luz do Senhor (Is 2.5); não andar em trevas (Is 50.10); andar em Espírito (Gl 5.16).

Nossos pés não devem andar segundo o curso do mundo (Ef 2.2); nem andar nos desejos da carne (Ef 2.3); nem andar desordenadamente, em dissolução, concupiscência (2Ts 3.6; 1Pe 4.3). Nossos pés não devem caminhar em lugares impuros, mas devem ser santificados a Deus para levar boas novas.

Conclusão

Na Bíblia encontramos várias mensagens que nos orientam a manter-nos puros e saudáveis.

Então, cuidemos do nosso corpo objetivando a glória de Deus: “Portanto, quer comais, quer bebais ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para a glória de Deus” (1 Co 10.31).

Sobre

Categorias

Categorias

Extras

No Portal você encontrará Comentários da EBD, Resumo de Livros e Esboços para Sermões

Subsídios para EBD
Sermões Bíblicos
Resumo de Livros

Dicas de Leitura
Subsídio para Missão

Aprenda Mais

Copyright © 2023 CTEC Vida Cristã. Todos os direitos reservados.