Poder do alto contra as hostes da maldade

Poder do Alto contra as hostes da maldade

PODER DO ALTO CONTRA AS HOSTES DA MALDADE

 

Estamos certo que a manifestação do poder do alto é uma realidade na vida de quem: tem compromisso com a palavra de Deus e a oração! Quando a vida é respaldada pelo modelo exemplar de Cristo! Quando exercemos o ministério da compaixão! Quando cremos nos milagres  do Senhor!

 

 TEXTO BÍBLICO

(Atos 8.5-13,18-21)

V,  5- E, descendo Filipe à cidade de Somaria, lhes pregava a Cristo.

V, 6- E as multidões unanimemente prestavam atenção ao que Filipe dizia, porque ouviam e viam os sinais que ele fazia,

V, 7- pois que os espíritos imundos saíam de muitos que os tinham, clamando em alta voz; e muitos paralíticos e coxos eram curados.

V, 8- E havia grande alegria naquela cidade.

V, 9- E estava ali um certo homem chamado Simão, que anteriormente exercera naquela cidade a arte mágica e tinha iludido a gente de Samaria, dizendo que era uma grande personagem;

V, 10- ao qual todos atendiam, desde o mais pequeno até ao maior, dizendo: Esta é a grande virtude de Deus.

V, 11- E atendiam-no a ele, porque já desde muito tempo os havia iludido com artes mágicas.

12- Mas, como cressem em Filipe, que lhes pregava acerca do Reino de Deus e do nome de Jesus Cristo, se batizavam, tanto homens como mulheres.

13- E creu até o próprio Simão; e, sendo batizado, ficou, de contínuo, com Filipe e, vendo os sinais e as grandes maravilhas que se faziam, estava atônito.

18- E Simão, vendo que pela imposição das mãos dos apóstolos era dado o Espírito Santo, lhes ofereceu dinheiro,

V, 19- dizendo: Dai-me também a mim esse poder, para que aquele sobre quem eu puser as mãos receba o Espírito Santo.

20- Mas disse-lhe Pedro: O teu dinheiro seja contigo para perdição, pois cuidaste que o dom de Deus se alcança por dinheiro.

21- Tu não tens parte nem sorte nesta palavra, porque o teu coração não é reto diante de Deus.

 

SAMARIA

Samaria era uma cidade antiga. No Antigo Testamento, depois da divisão do povo de Deus em dois reinos (Israel e Judá), Samaria foi escolhida como capital do reino do Norte, Israel. Devido a persistência do povo na idolatria, Deus chamou a nação da Assíria para destruir a cidade no oitavo século antes de Cristo.

Os assírios misturaram os povos dominados, deportando muitos dos israelitas para outras regiões. Aqueles que ficaram perderam sua identidade nacional quando se misturaram nos casamentos, nos costumes e nas práticas religiosas.

Esses samaritanos criaram um “culto” próprio a DEUS e tinham como centro de adoração o Monte Gerizim. Não aceitavam os Profetas e os Escritos, mas aceitavam a Lei como base de fé.Assim sendo, aguardavam a vinda do Messias (João 4:1-30).

Os judeus consideravam os samaritanos hereges e havia uma forte tensão étnica e cultural entre os dois grupos. Evangelizar os samaritanos não era tarefa fácil, pois o preconceito e a inimizade com os judeus eram grandes barreiras para qualquer tipo de comunicação.

Jesus preparou seus discípulos para a missão de pregar aos samaritanos:  Pregando a uma samaritana (João 4:1-30);  Curando um samaritano leproso (Lucas 17:11-19);  Contando a parábola do bom samaritano (Lucas 10:25- 36);  Exortando seus discípulos a serem suas testemunhas em Samaria (Atos 1:8).

Até o período do Novo Testamento, os samaritanos eram menosprezados pelos judeus, que se achavam mais puros e mais favorecidos por Deus.

Mas Jesus não veio somente para oferecer a salvação aos judeus religiosos. Ele veio pelo amor de Deus para com todos (João 3:16). Ele mesmo havia ensinado uma mulher samaritana que trouxe muitos outros a conhecerem o Senhor (João 4:1-42). Em Atos 8, poucos anos depois dessa parada de Jesus em Samaria, Filipe chegou com a mensagem do evangelho.

Pela imposição das mãos dos apóstolos, Filipe, o homem que levou o evangelho a Samaria, havia recebido poder para realizar milagres. Ele usou esse poder, não para encher os cofres da igreja, nem para engrandecer seu nome diante do povo, e sim para confirmar a mensagem que ele pregou sobre Jesus.

Muitas pessoas, inclusive aquelas que anteriormente foram enganadas por um mágico chamado Simão, foram persuadidos da verdade que Filipe pregou. Mostraram sua fé e foram batizadas (Atos 8:1-12).

 

O PODER DO ALTO EXCEDE O DINHEIRO OU VALORES TERRENO

Desde que Jesus deu suas orientações aos apóstolos (Marcos 16:15-16; Mateus 28:18-20), há um destaque notável na reação dos ouvintes à mensagem do evangelho.

Aqueles que creram se arrependeram e foram batizados para a remissão dos pecados. Em Samaria, o próprio Simão percebeu a veracidade dos sinais de Filipe, aceitou a sua mensagem e foi batizado (Atos 8:13).

Enquanto Filipe realizava milagres, ele não transmitia esse poder para outros. Dois dos apóstolos, Pedro e João, visitaram Samaria e transmitiu poder de uma maneira visível, que chamou a atenção do recém-convertido Simão.

Ele tentou comprar o mesmo poder que os apóstolos haviam recebido de Jesus, para equipar pessoas a realizar milagres. Parece que seu passado ainda atrapalhava, e ele pensava em abrir franquias de mágicos com esse poder!

Uma coisa interessante nessa história é que Simão, perito nas artes de engano, percebeu que as obras de Filipe, Pedro e João eram verdadeiros milagres, nada de truques, encenações ou manipulação psicológica. Pedro repreendeu Simão e disse para ele se arrepender e pedir perdão ao Senhor. Não ensinou a necessidade de repetir seu batismo, pois já havia nascido da água e do Espírito.

Agora, como filho de Deus que tropeçou, ele precisava voltar ao Pai e se reconciliar com ele. Simão até pediu que os outros orassem por ele. Errou, mas não queria cair na condenação de Deus. Leia o relato completo em Atos 8:14-24.

Observação:

Filipe, o Evangelista (em grego clássico: Φίλιππος; transl.: Philippos), (Judeu de Língua Grega), foi um missionário cristão do século I e um dos Setenta Discípulos. Ele é citado diversas vezes no Atos dos Apóstolos, mas não deve ser confundido com Filipe (apóstolo).

Filipe tinha uma família de bom testemunho – Filipe morava com sua família em Cesaréia. As suas quatro filhas, conforme vemos em At 21:8,9 também eram profetizas, isto é, tinham o dom de profecia. Que bênção de família para um evangelista bem-sucedido.

Junto com Estêvão, era um dos sete “homens acreditados, cheios de espírito e de sabedoria” (veja Sete Diáconos), escolhidos para a distribuição de alimentos entre as viúvas cristãs em Jerusalém (Atos 6:1-6).

Quando a perseguição espalhou a maioria dos cristãos, Filipe foi a Samaria; proclamou ali o evangelho, realizou milagres, e com muita alegria muitos aceitaram a mensagem e foram batizados, inclusive Simão, que praticava artes mágicas. (Atos 8:4-13).

 

TODO MOVIMENTO QUE NÃO VEM DE DEUS, É FALSO!

1 – Filipe e  Simão (Atos 8:9-13)

Simão praticava magia (a Bíblia de Genebra traduz como “magia negra”). Com esta prática iludia as pessoas e atraia muitos seguidores que o chamavam de Grande Poder.

Simão, quando viu os sinais e maravilhas que Filipe realizava (por meio do Espírito Santo e no Nome de Jesus) também abraçou a fé.  Simão ficou atraído pelos “sinais e maravilhas” e não por Cristo (Atos 8:18-23).

2 – Pedro e  João em  Samaria

Simão queria “comprar dos Apóstolos Pedro e João a concessão do poder do Espírito Santo através da imposição de mãos”. Simão foi duramente repreendido por Pedro, pois os sinais e maravilhas operados por Filipe eram a autenticação da mensagem, mas não a mensagem em si.

Cristo era a mensagem! Muitos têm vindo até Cristo em busca de “sinais e maravilhas”:  Cura de doenças; Busca de felicidade na vida amorosa; Muito dinheiro no bolso. Mas Cristo é a mensagem.

Como acontece em nossos dias, nem todos que ouviram o evangelho eram salvos. Simão era um exemplo deste fato. Só estava interessado nos “milagres” e preocupado com o “castigo” (Atos 8:24). Não se importava com Cristo.

Desde então, por causa de Simão, a tentativa de transformar o que é espiritual em comércio é chamado de simonia (a venda de favores divinos, bênçãos, cargos eclesiásticos, prosperidade material, bens espirituais, coisas sagradas, perdões, objetos ungidos, etc…).

Assim, devemos meditar sobre nossas vidas: Estamos buscando riquezas? Estamos buscando cura de doenças? Estamos buscando felicidade amorosa? Estamos buscando a Cristo? Nossa resposta vai determinar a mensagem que pregamos: Cristo ou a satisfação dos desejos humanos. “mas nós pregamos a Cristo crucificado… Pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus.” (I Coríntios 1:23a – 24b).

Observação

Moody então, contou sua experiência – uma experiência da qual ele raramente falava pois para ele era algo muito sagrado. Ele disse: “Esta bênção veio de repente sobre mim, como a luz de um relâmpago. Por meses eu estive faminto e sedento de poder para o serviço. Eu cheguei ao ponto que acho que teria morrido se não o recebesse.

CONCLUSÃO

Como já vimos nas lições anteriores que a nossa vida é uma luta, também no mundo espiritual, e depois de estarmos cônscios das forças da maldade, resta-nos buscarmos poder do alto (Divino) para sermos vitoriosos assim como disse Jesus (Mc 16:15-20).

O revestimento do Espírito Santo para o poder de testemunhar ou trabalhar é condicional, pois implica em certas condições a serem obedecidas. Assim sendo, cada crente deve apropriar-se do que foi prometido.

 

Referências

– Bibliografia

– Bíblia de Estudo Plenitude (ARC)

– A Bíblia de Estudos das profecias. E.R.A.

– Bíblia de Estudo de Genebra. Cultura Cristã e Sociedade Bíblica do Brasil, São Paulo e Barueri, 1999.

– https://www.estudosdabiblia.net/jbd466.htm

– Dicionário Online

– Apontamentos Teológico do Autor

Deixe seu comentário
Poder do alto contra as hostes da maldade