A necessidade de termos uma Vida Santa

A necessidade de termos uma vida Santa

A Necessidade de Termos uma Vida Santa

 O nosso chamado para ser santo, isto é, afastar-se de tudo aquilo que é pecaminoso, está baseado na santidade de Deus.

TEXTO BÍBLICO (1 Pedro 1.13-22)

Santidade no Antigo Testamento

Santidade é o principal atributo de Deus e uma qualidade a ser desenvolvida em seus seguidores. “Santidade” e o adjetivo “santo” aparecem muitas vezes na Bíblia.

Santo [Antigo Testamento]. qõdesh: ‘santidade, coisa santa, santuário’. Este substantivo ocorre 469 vezes com os significados de: ‘santidade’ (Êx 15.11), ‘coisas santas’ (Nm 4.15, ARA) e ‘santuário’ (Êx 36.4).

No Antigo Testamento, a primeira palavra para santidade significa cortar ou separar. Fundamentalmente, santidade é um corte ou separação de algo impuro e consagração ao que é puro.

No Antigo Testamento, santidade, quando aplicada a Deus, se refere ao seu domínio sobre a Criação e à perfeição moral de Seu caráter.

Deus é santo na medida em que Ele é completamente distinto da sua criação e exerce soberana majestade e poder sobre ela. Sua santidade é um tema de vulto nos Salmos (Salmo 47:8) e nos Profetas (Ezequiel 39:7), onde “santidade” emerge como sinônimo para o Deus de Israel.

As Escrituras dão a Deus os títulos “Santo” (Isaías 57:15), “o que é Santo” (Jó 6:10; Isaías 43:15) e “Santo de Israel” (Salmo 89:18; Isaías 60:14).

No Antigo Testamento, santidade de Deus significa que o Senhor é separado de tudo que é mal e corrompido (Jó 34:10). Seu caráter santo é o padrão de absoluta perfeição moral (Isaías 5:16).

A santidade de Deus – sua majestade transcendente e pureza de caráter – é habilmente apresentada no Salmo 99. Os versos 1-3 retratam a distância de Deus das coisas terrenas, e 4-5 enfatizam sua separação do pecado e do mal.

Artigo Relacionado  A Santidade ao Senhor no Antigo Testamento

Também no Velho Testamento Deus ordenou santidade nas vidas das pessoas. Através de Moisés, Deus disse a Israel, “Santos sereis, porque eu, o Senhor vosso Deus, sou santo.” (Levítico 19:2).

A santidade descrita no Antigo Testamento tem dois sentidos:

  1. Exterior ou cerimonial
  2. Interior ou moral e espiritual

A santidade cerimonial do Antigo Testamento descrita no Pentateuco (os cinco primeiros livros do Velho Testamento) incluía rituais de dedicação ao serviço de Deus.

Assim sacerdotes e levitas eram santificados por um ritual complexo (Êxodo 29:1), como foram os hebreus nazireus (Números 6:1-21). Profetas como Eliseu (II Reis 4:9) e Jeremias (Jeremias 1:5) também foram santificados para um ministério profético especial em Israel.

Mas o Antigo Testamento também dirige atenção para os aspectos íntimos, morais e espirituais da santidade. Homens e mulheres, criados à imagem de Deus, são chamados a cultivar a santidade do caráter de Deus nas suas próprias vidas (Levítico 19:2).

No Novo Testamento a santidade cerimonial proeminente no Pentateuco passa para um segundo plano. Muito do Judaísmo no tempo de Jesus procurava a santidade cerimonial pelas obras (Marcos 7:1-5), logo o Novo Testamento enfatiza a dimensão ética da santidade em vez da dimensão externa. (Marcos 7:6-12).

Com a vinda do Espírito Santo, a igreja primitiva percebeu que a santidade da vida era uma realidade interna profunda que deveria governar as atitudes e pensamentos de um indivíduo em relação a pessoas e objetos do mundo exterior.

Obs.: “A Santificação precisa ser distinguida da justificação. Na justificação, Deus atribui ao crente, no momento em que recebe a Cristo, a própria justiça de Cristo, e a partir de então vê esta pessoa como se ela tivesse morrido, sido sepultada e ressuscitada em novidade de vida em Cristo (Rm 6.4-10).

É uma mudança que ocorre ‘de uma vez por todas’ na condição legal ou judicial da pessoa diante de Deus. A santificação, em contraste, é um processo progressivo que ocorre na vida do pecador regenerado, momento a momento.” Para conhecer mais, leia Dicionário Bíblico Wycliffe, CPAD, p.1762.

Artigo Relacionado  A Bondade que confere vida para o crente

Santidade no Novo Testamento

A palavra grega usada no Novo Testamento equivalente à hebraica para santidade significa um estado interior de liberdade de falha moral e relativa harmonia com a perfeição moral de Deus. A santificação deve ser buscada diariamente, pois recebemos uma promessa de salvação.

Santo (Novo Testamento): hagiasmos, é traduzido em Rm 6.19,22; 1Ts 4.7; 1Tm 2.15; Hb 12.14 por ‘santificação’.

Significa:

(a) separação para Deus (1 Co 1.30; 2 Ts 2.13; 1 Pe 1.2);

(b) o estado resultante, a conduta que convém àqueles que são separados (1Ts 4.3,4,7; e os quatro primeiros textos citados acima).

A ‘santificação’ é, pois, o estado predeterminado por Deus para os crentes, no qual Ele pela graça os chama, e no qual eles começam o curso cristão e assim o buscam.

Por conseguinte, eles são chamados ‘santos’ (hagioi)” (VINE, W. E.; UNGER, Merril F. (et ali). Dicionário Vine: O Significado Exegética e Expositivos das Palavras do Antigo e do Novo Testamento, 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2002, pp.281,970).

A expressão “semelhança de Deus” contém o sentido da palavra original grega para santidade. Há uma outra palavra grega que descreve o conceito de santidade dominante no Velho Testamento como separação exterior do mundo e dedicação ao serviço de Deus.

Porque os escritores do Novo Testamento assumiram o retrato de deidade do Velho Testamento, santidade é atribuída a Deus em poucos de seus textos. Jesus afirmou a natureza ética de Deus quando ensinou seus discípulos a orar que o nome do Pai deve ser honrado pelo que Ele é, “Santificado seja o o teu nome” (Mateus 6:9).

No livro do Apocalipse a perfeição moral do Pai é descrita com a atribuição tríplice de santidade emprestada de Isaías: “Santo, Santo, Santo é o Senhor Deus Todo-Poderoso, aquele que era, que é e que há de vir.” (Apocalipse 4:8).

Artigo Relacionado  A criação de Eva a primeira mulher

Lucas, entretanto, contemplou a santidade de Deus nos termos do conceito dominante no Velho Testamento de Sua transcendência e majestade (Lucas 1:49). Fonte: iLúmina.

Observação

No mundo, os crentes são forasteiros peregrinos (Hb 11.13; 1 Pe 2.11).

(a) Não devem pertencer ao mundo (Jo 15.9), não ‘ conformar com o mundo (ver Rm 12.2), não amar para o mundo (2.15), vencer o mundo (5.4), odiar a iniquidade do mundo (ver Hb 1.9), morrer para o mundo e ao Pai ao mesmo tempo (Mt 6.24; Lc 16.13; ver Tg 4.4).

Amar o mundo significa estar em estreita comunhão com ele e dedicar-se aos seus valores, interesses, caminhos e prazeres. Significa ter prazer e satisfação naquilo que ofende a Deus e que se opõe a Ele (Lc 23.35).

Note, é claro, que os termos ‘mundo’ e ‘terra’ não são sinônimos; Deus não proíbe o amor à terra criada, i.e., à natureza, às montanhas, às florestas, etc” (ARRINGTON, French L; SRONSTAD, Roger. Comentário Bíblico Pentecostal Novo Testamento. Rio de Janeiro: CPAD, pp.1957-58).

Conclusão

Contudo, a santidade é principalmente um estado do coração. Quem é santo ama a Deus e é dedicado a Ele. Quando nos arrependemos e cremos em Jesus, ele nos torna santos.

Nossos pecados são todos apagados e somos purificados (1 Coríntios 6:11). Agora vivemos para agradar a Deus, não para o pecado. Podemos entrar na presença de Deus sem medo, porque já fomos perdoados (Hebreus 10:22). Isso nos preparar para aguardar em santidade a segunda vinda de Cristo.

Não estamos sozinhos na busca por santidade. O Deus santo e todo-poderoso está conosco, nos ajudando e ensinando com amor e carinho.

Referências

– Bíblia do Pregador Pentecostal (ARC)

– Bíblia de Estudo Palavra Chave (ARC)

– Apontamentos Teológico do Autor

– Dicionário Online da Língua Portuguesa Online

Sobre

Categorias

Categorias

Extras

No Portal você encontrará Comentários da EBD, Resumo de Livros e Esboços para Sermões

Subsídios para EBD
Sermões Bíblicos
Resumo de Livros

Dicas de Leitura
Subsídio para Missão

Aprenda Mais

Copyright © 2023 CTEC Vida Cristã. Todos os direitos reservados.